sexta-feira, 20 de junho de 2008

SERÁ QUE AGORA VAI?




Primeiro foi a Nossa Liga. Depois, a Supercopa. Agora, o basquete brasileiro tenta dar o terceiro passo na intenção de criar uma liga nacional gerenciada pelos clubes. Pode até ser que dê errado, mas desta vez há um ponto fundamental: a iniciativa conta com todos os grandes times - os oito paulistas e 11 dos 12 da CBB (só a equipe de Salvador ficou fora). Eles se reuniram na quinta-feira, e agora a Confederação aguarda um comunicado oficial. A tendência é que Grego, enfim, não se oponha à idéia.

Se der certo, teremos o modelo que vínhamos cobrando há tempos: um campeonato gerenciado pelos clubes, com a chancela da CBB. Cabe agora aos dirigentes aproveitar a oportunidade e não perder mais uma chance. Vamos torcer.

9 comentários:

Christian disse...

Esperamos que principalmente o trabalho fora da quadra ocorra, com a valorização do evento, aproveitamento do lado externo dos ginásios e nas finais o uso do maior e melhor ginásio possível na cidade do mandante. Exemplo em Brasília a final do Brasileiro foi no minúsculo ginásio da ACESB, quando poderia ter sido no Nilson Nelson. Creio que também não cabe mais campeonatos estaduais longos e inchados como o Paulista que invade o ano seguinte. Vamos esperar e ver o que acontece.

lisangelo disse...

Estamos torcendo.

Alexandre Estefan disse...

Vamos ficar na torcida.. e que os dirigentes sejam capaz de uma gestão sensata, o público brasileiro adora o basquete, o que falta é divulgação, não ficar restrito apenas ao ginásio.. e por isso torço que vendam os direitos de transmissão para um canal aberto que transmita os jogos, que tenha responsabilidade com o basquete, não que coloque 1 jogo da temporada em um Domingo às 10hrs por falta de opção.
Seja o dia que for.. o horário que for e a emissora que for.. que tenha de 1 a 3 jogos semanais e com hora marcada.

Fiel disse...

Ótima noticia, realmente nos resta ficar na torcida. Ainda penso que clues grandes, com tradição no futebol deveriam participar mais do basquete para o seu crescimento, estilo os times do Rio de Janeiro.

Pedro Trindade disse...

otima noticia mesmo!!
tomara que de certo... rodrigo vc sabe pq a equipe de Salvador (FTC) ficou de fora? eu to morando em Salvador e conheço o pessoal que joga aqui, o projeto deles inclusive é bem interessante o time é todo Universitario e tem alguns atletas de potencial... vou procurar saber por aqui qual foi o motivo deles não participarem - eu sei que o time todo está participando do JUBS (olimpiada brasileira universitaria) nessa semana, mas os dirigentes eu ja não sei...
bom , vamos torcer pra que de certo esse novo formato, o basquete brasileiro precisa de respirar um pouco!!
saudações

wrestler disse...

Acho que em termos de marketing essa nova liga deveria adotar o nome da liga que o Oscar tentou NossaLiga de Basquete da varios sentidos principalmente de uniao o que falta nos clubes e o que tem mais nessas equipes é a INDIVIDUALIDADE ou seja a guerra de interesses de cada um mas para uma liga ser forte tem que haver tres fatores um projeto forte para atrair investidores a chancela da cbb para que haja uma harmonia entre liga e cbb e um marketing forte para vender a liga como um pacote para televisao e futuramente os produtos da liga como ginasios modernos isso temos como a arena do rio de janeiro no autodromo e outras praças no brasil veremos como sera esta nova liga boa sorte

Clóvis Rafael disse...

Tomara que agora dê tudo certo, e que esse projeto vá para frente e nos dê alegrias e quem sabe tranquilidade para o nosso querido basquete, que necessita de união, paz e principalmente aprendizado!!!!

Anônimo disse...

A final entre Universo e Flamengo não foi no ginásio Nilson Nelson (Com capacidade para 30 mil pessoas) porquê ele está sendo reformado para o mundial de Futsal. Ao menos isso a favor desses incompetentes.

leonel disse...

Não poderíamos continuar da mesma forma desse ano. Os jogos internos foram muito chatos de assistir. Com todos no mesmo campeonato, os jogos serão mais disputados e o nível pode crescer.