segunda-feira, 5 de abril de 2010

ENFIM, BIRA NO HALL




Hortência não está mais sozinha. Até hoje a única representante do Brasil no Hall da Fama do Basquete nos Estados Unidos, a Rainha acaba de ganhar a companhia de Ubiratan Pereira Maciel, o Bira. Após cinco tentativas de entrar na galeria, o pivô, falecido em 2002, foi anunciado nesta segunda como um dos integrantes da turma de 2010. Com ele, entram no Hall Scottie Pippen, Karl Malone, Dennis Johnson, Cynthia Cooper, Jerry Buss, Gus Johnson, o Dream Team de 1992 e a seleção americana de 1960.

Ubiratan brilhou em tempos de glória do basquete brasileiro. Foi campeão mundial em 1963, no início da carreira, e no ano seguinte, conquistou a medalha de bronze nas Olimpíadas de Tóquio. Ainda disputou outros quatro Mundiais e, em 1970, foi vice na Iugoslávia jogando o fino. Faz-se justiça, mas ainda falta. Wlamir, Amaury, Rosa Branca, Paula, Oscar, Marcel e outros nomes também têm bala para figurar na galeria.

6 comentários:

Jeferson disse...

caros rodrigo e leitores do blog, boa tarde!
comecei a assistir a basquete, ainda mt jovem, no memorável pan87, em indianápolis; meu ídolo, àquela época (e sempre será), foi o grande defensor gerson, q parou os americanos, ao contrário da maioria q idolatrava o trio oscar/marcel/israel.
entretanto, fico mt feliz que finalmente mais um grande jogador brasileiro, q não tive a oportunidade de assistir tenha seu talento reconhecido, mesmo q pós-morte. então, parabéns a todos os familiares do grande ubiratan PEREIRA "the king" (p os americanos).
abraço a todos,
jeferson.

p.s.: novamente peço-lhe escrever "algo mais" sobre o primeiro brasileiro a disputar o mcdonald´s high school, o "grande" fabrício de melo (por enquanto só em tamanho, mas o cara tem um "uspide" enorme).

Jeferson disse...

Mcdonald's All-American Week Player Evaluations and Interviews
April 5, 2010
Brazilian native Fab Melo looks to be in far better shape than he did the last time we saw him about nine months ago on the AAU circuit, shedding pretty much all of the baby fat he once sported, and moving a lot better in turn these days as well. His frame looks like it will easily be able to carry another 25-30 pounds of muscle as it continues to fill out through working in the weight room, which would make him a potentially superb prospect from a physical standpoint.

Although he has all of the basic characteristics you look for in a highly intriguing big man prospect, Melo’s skill-level remains largely underdeveloped. He struggled to operate effectively in the low post, showing average footwork and post moves with his back to the basket, not really possessing the knowledge of how to use his body effectively to carve out space and finish strong around the rim. He seemed to drift out towards the perimeter quite a bit in turn, showing a very intriguing stroke from mid-range, but also being fairly inconsistent with the actual results here as well. Understanding his limitations and learning how to play within a system will be key for him moving forward.

All this shouldn’t really come as a surprise considering the stage of development he’s currently at. Big men in his mold tend to take time to develop, and he’s only been in the States for about a year and a half on top of that.

The good thing is that Melo knows how to make his presence felt, as he was a major rebounding force and showed much better defensively awareness than we had seen in the past. He blocked a number of shots in the actual game, showing terrific timing in the process, something that is extremely intriguing to say the least. He still has work to do in this area as well, as his fundamentals are fairly poor here as well, but the fact that he’s making strides is encouraging.

Melo’s size, length, solid mobility soft hands and reportedly strong intangibles give him a terrific framework to build off, though, and should allow him to see immediate playing time for Syracuse in the Big East. Beyond that we’ll just have to wait and see how quickly he develops, but there is certainly a lot to look forward to.

Duda 11 disse...

Que time é esse que está chegando ao Hall da Fama hein? Caramba, só tem craques!!!!

Anônimo disse...

Marcel?

Bruno disse...

Parabéns ao Cavalo de Aço, por tudo o que já li um grande reboteiro, extremamente raçudo, teve uma grande carreira internacional.

E pegando gancho no comentário do Jefferson acima, eu também era um grande fã do Gérson, um jogador melhor do que a fama (pouca) que teve.

Quanto ao Fabricio de Melo, pelo que vi e li parece que ainda é um atleta tentando jogar basquete, e não o contrário, mas como é novo esperamos que evolua e vire um grande jogador.

Paulo M. F. disse...

Com todo o respeito, acho que em toda a história somente cinco brasileiros jogaram bola suficiente para estar no hall da fama: Oscar, Wlamir, Amaury, Hortência e Paula. Rosa Branca e Bira eram excelentes jogadores, muito esforçados e voluntariosos, mas não eram craques. Marcel, então, nem pensar, sempre foi um jogador limitado, de pouca variação de jogadas e, desde sempre, muito falastrão. Aliás, ele (Marcel) fala como se tivesse sido craque de basquete, coisa que nunca foi. E tem muita gente que cai nesse papo. Só que não o viu jogar.