quarta-feira, 8 de setembro de 2010




Em um jogo tenso como foi o Brasil x Argentina de terça-feira, é natural que a derrota nos faça xingar, chutar a cadeira e maldizer até a quinta geração do último reserva. É bom, aliás, que o basquete desperte esse tipo de paixão, significa que a modalidade está viva no país. Sobre o jogo em si, tenho pouco a acrescentar agora – vocês já deram conta do recado com sobras nos mais de 200 comentários da caixinha. Vou dizer apenas que:

1) Scola é, de fato, um monstro. No basquete Fiba, está entre os melhores de todos os tempos. O que ele vem fazendo neste Mundial é um verdadeiro privilégio para quem assiste.

2) Não foi só Scola que eliminou o Brasil. Foi o plano de jogo de Sergio Hernández (dê uma olhada na frase do Prigioni ali embaixo), foi a nossa defesa com mais falhas que o normal, foram as peças extras da Argentina no quarto período (Jasen, Gutiérrez), enquanto as nossas deixaram um estupendo Marcelinho Huertas quase sozinho. Aliás, o choro de Huertas no fim mostra caráter e só ajuda a reforçar a certeza de que temos um grande armador na seleção.

3) Como já foi dito aqui, não temos um executor. Não é Huertas que deve se virar com 32 pontos. Quem deveria puxar nosso ataque chama-se Leandrinho, mas nossa expectativa em relação a ele parece estar acima do que ele realmente é. Não quero aqui crucificar o atleta; só constato que nosso camisa 10 não tem perfil de jogador decisivo, ou até agora não mostrou, nem na NBA, nem na seleção. Os outros três possíveis definidores também não apareceram: Machado jogou pouco tempo (17 minutos); Splitter esteve apagado; e Varejão, nosso maior destaque na Copa América, atuou machucado durante todo o Mundial. Um Anderson 100% mudaria muito o panorama, acreditem.

Dito isso sobre o jogo, é hora de chegar para trás e olhar o cenário com um certo afastamento. A verdade é que ainda não dá para cobrar da seleção um passo maior que esse. No primeiro campeonato sob o comando de Rubén Magnano, qual foi o saldo?

Enrolamos contra as babas (Irã e Tunísia), atropelamos a Croácia e jogamos de igual para igual com três seleções que teoricamente estão muito acima de nós: Estados Unidos, Eslovênia e Argentina. Ah, mas perdemos os três jogos. É, perdemos. Talvez porque os hermanos e os americanos estejam de mãos dadas no topo do ranking da Fiba, e talvez porque os eslovenos sejam descendentes da escola que conquistou metade dos últimos 10 Mundiais (sendo dois dos últimos três). O que a gente esperava? Atropelar esse povo todo sem piedade?

É claro que precisamos ser exigentes, precisamos cobrar sempre, até porque os próprios jogadores se cobram e um técnico campeão olímpico vai fazer o mesmo. Mas já ouvi por aí gente dizendo que o Brasil "fez a vergonha de sempre" na Turquia. Numa hora dessas seria bom pegar uma máquina do tempo e voltar alguns anos para recordar o tamanho do buraco onde tínhamos nos metido. De dois anos para cá, temos sem dúvida outro Brasil. Só não podemos achar que esse Brasil, apesar de nitidamente melhor, vai dar passos gigantes. Estamos no início de um processo. É preciso conhecer o nosso lugar. Não há nenhuma vergonha nisso.

53 comentários:

CCMO disse...

Nossa seleçao tem que sair de cabeça erguida pq jogamos com honra!

Colin disse...

Magnano errou hoje na escalação inicial. E teve sua parcela (ou toda? não dá pra saber daqui) de culpa nos muuitos erros de rotação defensiva.

Mas, daí a dizer que a contratação dele é uma perfumaria, é demais. O Brasil evoluiu, sim, tem uma geração que dura mais uns 10 anos, e precisa cuidar bem da base, algo que a CBB fica devendo sempre.

O primeiro trabalho foi dado, com a vinda do Walter Roese para a sub-18, que já mostrou dar resultados. Mas deve-se cuidar da base que está aqui, da mesma forma, no Recife, em Santa Catarina, no Mato Grosso como no Rio e São Paulo.

Precisamos renovar já alguns nomes desses 12 aí, mas a base tá montada, não tem grandes mudanças. Mas, quando for para ter essas mudanças, não podemos sofrer mais 16, 20 anos...

Paulo Cesar T de Souza disse...

Colin? Quem é Colin?

Diego disse...

Criticam muito o Leandrinho, eu acho injusto as vezes, ele é nosso melhor jogador em materia de criar jogadas individuais, o jogo dele não encaixou como gostariamos nesse mundial mas ele n foi um fiasco total, foi muito bem marcado até porque todos sabem da sua caracteristica de jogo. O jogo da argentina ficou bem claro que o nosso trio de pivos que comentavamos tanto e confiavamos muito, fez muita falta, o Nene foi cortado, Varejão jogou machucado, Splitter chegou atrasado pra preparação, isso acabou fazendo muita falta durante a competição. Agora é torcer muito que nas próximas competições eles estejam saudaveis e prontos para jogar, acredito muito nessa seleção jogando completinha.

Diego disse...

E sim Rodrigo temos um Grande armador, admiro ainda mais o Huertas depois desse mundial, mas não só admiro ele mas toda a seleção. Por estarem se esforçando pra tirar o nome do Brasil da lama do Basquete internacional.

OLIVEIRA disse...

Rodrigo,

Concordo em quase tudo que você escreveu, mas me recuso a dar valor a esta frase do Prigioni, e olha q não é pq fiquei mt triste c a nossa eliminação.
Como ele pode tirar esta onda se o Brasil fez mais pontos (89) do q sua média (81), teve % de quadra maior (55%) do que sua média(52%), teve 3P% maior (50)do que sua média (39) e LL maior (76) do que sua média (74). E o TÉCNICO DELE DISSE Q ABANDONOU O PLANO ESTRATÉGICO DE DEFESA NO HUERTAS PQ DEU ERRADO, logo o pick-n-roll q é a ação ofensiva mais importante do ataque brasileiro. O cara quer tirar onda com uma vítória num jogo tão apertado?!? Dizendo q o Huertas poderia marcar quantos pontos quisesse...E se o Leandrinho desse a bola no segundo 44 ao Huertas e ele tivesse feito, voltassemos p defesa, recuperássemos a posse e fechássemos com o Huertas. Ele diria esta baboseira?? Como disse o Nei Bahia, tirar onda após o jogo é mole e se alguém tinha q tirar onda era o Scola e não o fez. Prigioni está c recalque pq o Magnano não o levou na conquista do ouro olímpico e o Huertas MAIS UMA VEZ JOGOU MELHOR Q ELE. Campanha Huertas sempre põe o Prigioni no bolso.

Rodrigão um abraço e PARABÉNS PELO BLOG E COBERTURA DA SELEÇÃO.

Eduardo Vianna disse...

Rodrigo, você é um grande conhecedor de basquete, mas nesta você está errado. Anderson Varejão não mudaria nada, simplesmente porque trata-se de um jogador HORROROSO. Lance livre horrendo, arremesso pífio, pouco inteligente. Só se sai razoavelmente bem no quesito rebote. Acho que só o Rolando era pior que o Varejão.

MAGIC disse...

LAMENTÁVEL... MAS JÁ ERA DE SE ESPERAR... NO PAÍS ONDE É MAIS IMPORTANTE UM PROGRAMA DE ESPORTE FALAR SOBRE CONCURSO PRA VER QM "CUSTI MAIS LONGE", NÃO TEMOS NEM OQ COMENTAR... NEH?! ONDE TBM A MAIORIA DOS PROGRAMAS TEM COMO NOME ESPORTE E SÓ FALA DE FUTEBOL O PROGRAMA INTEIRO... INSENTIVO AO BASQUETE, CADE? SÓ TEMOS QUE AGRADECER OS IRMÃOS NOSSOS QUE FORAM ATÉ LÁ E FIZERAM OQ FOI POSSÍVEL FAZER...

VALEU AOS 12 ATLETAS E COMISSÃO!!!
VAMOS CONTNUAR LUTANDO PRA QUE O BASQUETE BRASILEIRO SEJA MAIS RECONHECIDO DENTRO DE NOSSO PAÍS!!!

Fábio Carvalho disse...

Ontem vimos o confronto de uma geração vitoriosa e outra em um novo ciclo, mas ainda sob os reflexos de um péssimo trabalho de base. Afinal, quantos jogadores nem pisaram em quadra? Ah, estávamos sem Nenê? Eles sem Ginóbili e Nocioni. Repito, é a vitória de uma geração. Que possamos aprender com nossos erros e lapidar melhor os novos jogadores. Como diria M. Jordan: "Não existem atalhos".
Abraços!

Anônimo disse...

Rodrigo
Concordo em muito pouco.
A preparação começou errada,atrasada e com um planejamento físico ridículo.
Não adianta trazer técnico campeao olímpico e não dar condição a ele.
A evolução que querem mostrar,é para esconder a realidade do Basquete brasileiro.A mídia toda querendo um produto já pronto criou expectativas que frustaram os brasileiros.
A hora é trocas,por pessoas mais competentes que dêem suporte ao Rubens M.
Ficou provado, a estrutura tem que ser profissional e não um bando de amadores amiguimhos.
Que este Mundial sirva para que a fumaça da " mudança" va embora rapidamente e que a realidade brasileira seja exposta e trabalhada.

Jose o troll

Dead boy disse...

De Leandrinho eu não esperava nada. O cara é muita energia e pouca luz.

O Brasil teve o azar de Varejão machucar-se. Ele seria importantíssimo se estivesse 100%. Podemos até lamentar a falta de Nenê, mas dele, assim como de Leandrinho, eu não conseguia esperar muito.

Em todo caso, temos as lições a tirar. Estamos no rumo certo. Foi nosso melhor torneio, provavelmente, dos últimos 20 anos.

Além disso, uma salva de palmas para Huertas. Muitos (inclusive eu) não botavam fé no cara. E ele foi brilhante, talvez o melhor dentre os brasileiros e um dos melhores armadores do Mundial. Ele não amarelou. Pelo contrário, fez jogo de gente grande. Merece reconhecimento. Sem contar o belo trabalho de Marcelinho Machado.

Essa seleção perdeu, assim como as outras seleções recentes nossas perderam. Mas não perdeu do mesmo jeito. É nossa melhor seleção dos últimos 20 anos. Precisamos manter isso em mente a todo custo, porque vai nos nortear rumo aos próximos objetivos (olimpíadas de 2012 e principalmente 2016).

Anônimo disse...

http://www.draftbrasil.net/turquia2010/a-dor-da-derrota/

Anônimo disse...

Temos 3 problemas nessa seleção:

1- Leandrinho não é "o cara". Na hora do vamo ver, contra EUA, Eslovênia e agora Argentina ele perdeu a bola decisiva. Isso mostra que ele não está preparado para assumir a responsabilidade em momentos decisivos o que é fundamental em momentos nos quais a disputa fica acirrada - Scola nos mostrou isso ontem. Não digo que Lenadrinho é um mal jogador. Joga muito bem, faz boas infiltrações e tem um arremesso razoável. Mas é burro. Como é burro! Não sabe ler o jogo. Não consegue perceber a movimentação defensiva do adversário e cai em todas as armadilhas. Tem bola, mas não tem cérebro, enfim.

2- O trabalho de garrafão ainda não funcionou. Splitter teve média de 5 pontos por jogo no campeonato. 5 pontos! Como pode o principal pivô da seleção ter 5 pontos de média? Aí vcs vão me dizer, mas na Espanha ele fazia 20, 30 por jogo. Aí é que está o ponto. R. Magnano promoveu uma revolução no Brasil. Abandonamos o basket antiquado que alguns imbecis diziam ser a "essencia" do basket brasileiro.

Entretanto ainda não completou o projeto e não conseguiu jogar tal essência fora. O trabalho fica excessivamente concentrado nos homens de cima, o que faz com que os pivôs participem menos do jogo e a defesa adversária possa pressionar mais tranquilamente o homem da bola.

Evidentemente que há, nesse sentido, um segundo problema. Os homens de fora brasileiros são baixos. Alex só é 3 aqui, onde carecemos de trabalho de base que ensine os fundamentos do basket aos jogadores mais altos. Um 3 que poderia ajudar a desequilibrar as defesas adversárias jogando dentro e fora do garrafão não existe no Brasil. (Não venham me dar exemplos pq conheço os brasileiros, e não há ninguém capaz de jogar em nível internacional).

Assim, insisto, o trabalho dentro do garrafão precisa ser mais efetivo para que haja mais possibilidades de ataque e que obrigue a um trabalho defensivo mais intenso dos adversários. Splitter e Varejão, fazendo 5 pontos por jogo não vão ajudar em nada.

3- Magnano é gênio mas não é Deus. Ontem creio que ele cometeu um único equívoco: insistir na tática de dobrar no homem da bola quando era feito corta-luz fora. Durante boa parte do tempo a tática deu certo. Entretanto, no último quarto, Hernandez mudou o posicionamento no corta-luz, fazendo com que o Scola abrisse para receber ao invés de afundar para o pick-n-roll. Com isso ele começou a matar as bolas de fora sem defesa. Foi uma festa no último quarto. E Magnano não alterou o arranjo na defesa. Creio que errou.

Isso não quer dizer que eu ache que ele deva ser demitido ou que de fato ele jogou para perder como alguns disseram aqui. Por um lado, ele é certamente o melhor treinador de basket que o Brasil já teve e tem promovido uma verdadeira revolução na forma da seleção jogar basket. Não podemos nos esquecer também que o projeto era voltar às Olimpíadas em 2012 e tentar uma medalha em 2016. Em nenhum momento ele prometeu o título mundial em 2010. Os que se sentíram traídos pelo argentino estão apressando as coisas e provando que são todos uns peladeiros que não entendem nada de basket. Por outro lado, é evidente que Magnano não jogaria para perder e tal sugestão deveria levar o propositor a procurar um psicologo e curar sua mania de perseguição.

Um último detalhe. Não há no brasil um treinador minimamente capaz de fazer metade do que fez Rubem Magnano. Lula, Hélio, Neto, Chupeta(?!?!?!) fazem o que há de mais atrasado no basket e teriam deixado essa seleção - com sorte - em quarto lugar na primeira fase, tomado 40 pontos dos estados unidos e voltado para casa dizendo que cumpriram o planejado.

E insisto na minha campanha sempre que venho aqui comentar. PELO AMOR DE DEUS, PAREM DE COGITAR O MARCEL PARA TÉCNICO DA SELEÇÃO. Tem gente que vem aqui e diz ainda que ele tem currículo!!!!! Meu Deus!!! Só falta sugerir o Miguel Angelo para treinador do feminino que aí a gente coloca dois imbecis no comando das seleções e leva de vez o bsket pro buraco!

Anônimo disse...

Temos 3 problemas nessa seleção:

1- Leandrinho não é "o cara". Na hora do vamo ver, contra EUA, Eslovênia e agora Argentina ele perdeu a bola decisiva. Isso mostra que ele não está preparado para assumir a responsabilidade em momentos decisivos o que é fundamental em momentos nos quais a disputa fica acirrada - Scola nos mostrou isso ontem. Não digo que Lenadrinho é um mal jogador. Joga muito bem, faz boas infiltrações e tem um arremesso razoável. Mas é burro. Como é burro! Não sabe ler o jogo. Não consegue perceber a movimentação defensiva do adversário e cai em todas as armadilhas. Tem bola, mas não tem cérebro, enfim.

2- O trabalho de garrafão ainda não funcionou. Splitter teve média de 5 pontos por jogo no campeonato. 5 pontos! Como pode o principal pivô da seleção ter 5 pontos de média? Aí vcs vão me dizer, mas na Espanha ele fazia 20, 30 por jogo. Aí é que está o ponto. R. Magnano promoveu uma revolução no Brasil. Abandonamos o basket antiquado que alguns imbecis diziam ser a "essencia" do basket brasileiro.

Entretanto ainda não completou o projeto e não conseguiu jogar tal essência fora. O trabalho fica excessivamente concentrado nos homens de cima, o que faz com que os pivôs participem menos do jogo e a defesa adversária possa pressionar mais tranquilamente o homem da bola.

Evidentemente que há, nesse sentido, um segundo problema. Os homens de fora brasileiros são baixos. Alex só é 3 aqui, onde carecemos de trabalho de base que ensine os fundamentos do basket aos jogadores mais altos. Um 3 que poderia ajudar a desequilibrar as defesas adversárias jogando dentro e fora do garrafão não existe no Brasil. (Não venham me dar exemplos pq conheço os brasileiros, e não há ninguém capaz de jogar em nível internacional).

Assim, insisto, o trabalho dentro do garrafão precisa ser mais efetivo para que haja mais possibilidades de ataque e que obrigue a um trabalho defensivo mais intenso dos adversários. Splitter e Varejão, fazendo 5 pontos por jogo não vão ajudar em nada.

3- Magnano é gênio mas não é Deus. Ontem creio que ele cometeu um único equívoco: insistir na tática de dobrar no homem da bola quando era feito corta-luz fora. Durante boa parte do tempo a tática deu certo. Entretanto, no último quarto, Hernandez mudou o posicionamento no corta-luz, fazendo com que o Scola abrisse para receber ao invés de afundar para o pick-n-roll. Com isso ele começou a matar as bolas de fora sem defesa. Foi uma festa no último quarto. E Magnano não alterou o arranjo na defesa. Creio que errou.

Isso não quer dizer que eu ache que ele deva ser demitido ou que de fato ele jogou para perder como alguns disseram aqui. Por um lado, ele é certamente o melhor treinador de basket que o Brasil já teve e tem promovido uma verdadeira revolução na forma da seleção jogar basket. Não podemos nos esquecer também que o projeto era voltar às Olimpíadas em 2012 e tentar uma medalha em 2016. Em nenhum momento ele prometeu o título mundial em 2010. Os que se sentíram traídos pelo argentino estão apressando as coisas e provando que são todos uns peladeiros que não entendem nada de basket. Por outro lado, é evidente que Magnano não jogaria para perder e tal sugestão deveria levar o propositor a procurar um psicologo e curar sua mania de perseguição.

Um último detalhe. Não há no brasil um treinador minimamente capaz de fazer metade do que fez Rubem Magnano. Lula, Hélio, Neto, Chupeta(?!?!?!) fazem o que há de mais atrasado no basket e teriam deixado essa seleção - com sorte - em quarto lugar na primeira fase, tomado 40 pontos dos estados unidos e voltado para casa dizendo que cumpriram o planejado.

E insisto na minha campanha sempre que venho aqui comentar. PELO AMOR DE DEUS, PAREM DE COGITAR O MARCEL PARA TÉCNICO DA SELEÇÃO. Tem gente que vem aqui e diz ainda que ele tem currículo!!!!! Meu Deus!!! Só falta sugerir o Miguel Angelo para treinador do feminino que aí a gente coloca dois imbecis no comando das seleções e leva de vez o bsket pro buraco!

jdinis disse...

Acho que o título do post é abnsolutamente perfeito: "nosso lugar".

Reclamávamos do jogo sem controle, do Marcelinho Machado arremessando alopradamente, da incompetência do Lula Ferreira... nada disso ocorreu e perdemos de novo para a Argentina. Nossa geração é pior que a deles e ponto final.

Desde 2002 já perderam Montechia, Pepe Sanchez, Schonochini, Ginóbili e Nocioni não jogaram, reservas de Prigioni machucados (o Cequeira consegue ser pior que o Nezinho!) e perdemos de novo! Jogamos bem? Perdemos.

Fico irritado quando criticam o Leandrinho, dizendo que ele não decide. O jogo dele não é esse e ponto final. Diversas vezes ficou com a bola faltando 10 seg para decidir sozinho e resolveu algumas (de 3, inclusive). É esse o jogo do Brasil? Deixar Leandrinho decidir sem qualquer jogada para isso? Vamos perder sempre no alto nível.

Achei QUASE todos os jogadores muito bem, atuando no limite das suas qualidades e condições físicas. Marcelinho Machado foi jogador de equipe, Marquinhos atirou duas bolas livres , errou, e ajudou no que pode sem forçar mais, etc.

Admiro muito Ruben Magnano e Tiago Splitter mas, nesse jogo, os dois não foram bem. Magnano não conseguiu parar o ataque argentino (embora as armas fossem mais do que conhecidas) e não encontrou boas soluções para o ataque. Tiago (pela 1ª vez vou falar mal dele) se escondeu, teve medo de decidir, "afinou" na marcação do Scola.

Ruben Magnano deve estar chateado, Sergio Hernandez provou que o mérito da medalha de ouro é dos jogadores não do Magnano.

eZ disse...

Magnano não entra em quadra. A argentina destruiu a defesa brasileira com a movimentação e ele tentou de tudo. Tentou o time mais alto, mais baixo, mais rápido, trocar, mas quando encaixou dentro, os caras meteram bola de fora feito loucos .. quando a defesa subiu, scola botou todos no bolso .. simples assim ... acho q já foi discutido no outro post ... Esse é o limite do brasil e qq coisa além disso é jogar além.

Mas finalmente o brasil é um time e não um catadão, coisa que sei lá, não era há uns 20 anos fácil ...

eZ disse...

Aqui oh:

só por curiosidade .. os roosters nos últimos mundiais ... renovação nenhuma e a base é a mesma ... nossa, não surgiu ninguém .. nenhum titular novo ...

Não lembro se o Huertas era titular, mas creio que o time titular é o mesmo de 2006 não ?


2002 World Championship: finished 8th among 16 teams

Leandro Barbosa "Leandrinho", Alex Garcia, Anderson Varejao, Tiago Splitter, Rogerio Klafke, Guilherme Giovannoni, Demetrius Conrado Ferraciu, Marcelo Machado "Marcelinho", Helio Rubens Garcia Filho "Helinho", Rafael Araujo "Baby", Vanderlei Mazzuchini, Sandro Franca Varejao (Coach: Helio Rubens Garcia)


2004 Olympic Games: did not participate


2006 World Championship: finished 17th among 24 teams

Leandro Barbosa, Anderson Varejão, Alex Garcia, Tiago Splitter, Guilherme Giovannoni, Marcelo Tieppo Huertas "Marcelinho Huertas", Marcelinho Machado, Wellington Reginaldo dos Santos "Nezinho", Jose Estevam, Caio Aparecido da Silveira Torres, Andre Luiz Quirino Pereira "Andre Bambu", Murilo Becker da Rosa (Coach: Aluisio Elias Ferreira Xavier "Lula Ferreira")

Dead boy disse...

Mas finalmente o brasil é um time e não um catadão, coisa que sei lá, não era há uns 20 anos fácil ... [2]

Anônimo disse...

Não gostei.PErdeu de novo.Vergonha,time de marica!

Anônimo disse...

Quando o Splitter vai parar de beijar o pé do Scola???

Impressionante como ele "afina" contra a Argentina. Mesmo na copa américa em que ganhamos deles com o Scola o Splitter só se escondeu.

Anônimo disse...

Eu escrevi no tópico abaixo, mas ao que parece fui censurado.
Não sei porque, mas fui!

Sem problemas, pois precisamos nos acostumar com essa situação que. a cada dia que passa, fica mais evidente.

Embora a sintese do que escrevi esteja reproduzida aqui neste comentário do Rodrigo, não me conformo de ter sido tolhido de expressar, com minhas palavras, meu sentimento quanto ao jogo de ontem, sobre a BRILHANTE atuação do Huertas e sobre a LAMENTÁVEL e COSTUMEIRA mediocridade do Leandrinho.
José Américo

Anônimo disse...

Pra mim já deu.
Tá na hora de abrir espaço pra mulecada mesmo.
C- Fab Melo/ Lucas Bebe/ Paulão
PF- Vítor Faverani/ Augusto Lima
SF- Jordan Burguer/ Gabriel Aguirre(parece ele vai jogar de ala agora)
SG- Vítor Bebite/ Felipe Taddei/ Felipe Vezaro
PG- Raulzinho/ Davi/ Rafael Luz

Huertas, Splitter e Varejão pra chamar a responsabilidade junto com esses mlks formaria uma boa seleção pro RIO-2016, pq pra Londres tá bem difícil.

Mozart Maragno disse...

Se não tivéssemos heróis no deserto como Leandrinho, Varejão, Nenê e outros, nem jogo duro faríamos nesse nível. Leandro matou bolas impossíveis que nos deixaram no jogo. Ele tentou decidir, não se omitiu. É do jogo. Está dando a cara a tapa.

Anônimo disse...


Benite
Rafael Luz (o cara se recusa a jogar pelo Brasil)
Aguirre
Taddei
Verzaro
Raulzinho

Para agora.
Vocês tão de brincadeira. Comédia. Com esses moleques é de 30 pontos pra cima por jogo. Renovação não é demolição do time anterior.

Anônimo disse...

É brincadeira, lendo alguns comentários acima, parece que perdemos de ANGOLA.

Amigos, perdemos de uma seleção que ja tem um trabalho longo e um sistema de jogo enraizado nos jogadores, alem de ser uma das favoritas ao Mundial.

É preciso dar tempo e mais competiçoes ao treinador, o trabalho esta no caminho certo e sendo bem feito.

Abs


Alexandre Reis

Rony disse...

A única constatação que deve ser feita, e que não sei o porquê de fugirmos a ela, é que o Brasil simplesmente não consegue vencer jogos em que a diferença é pequena. No mundial passado, isto foi flagrante e, neste aqui, o mesmo ocorreu. Perdemos para os EUA com a última bola na mão, perdemos para a Eslovênia depois de um empate no minuto final e para a Argentina, nem se fala. Acho que é necessária maior atenção ao aspecto psicológico.

Anônimo disse...

acho um absurdo falar mal do leandrinho, que ele não é um definidor! cansei de entrar nesse blog que voce mesmo rodrigo reclamava que ele fazia 30 pontos por jogo e que o jogo devia ser distribuido!

acho que nossa derrota foi mais por causa do tecnico, marquinhos não era para ter entrado, entrou mal, muito mal!

era para ter usado mais o murilo, nossa defesa estava fraca no garrafão!

bola para frente, vamo ganhar deles lá na argentina, e com ginobili jogando! :]

Anônimo disse...

Talves eu tenha assistido a este jogo com ceticismo quanto a nossa seleção, mas não vi nenhum jogo tenso, pelo menos por parte dos hermanos.
O que mais me impressionou neste jogo foi a calma do time argentino, e de seu tecnico, em verdade eles comandaram o jogo ate quando estavam atraz, tinham certeza que iam ganhar.
Tivemos uma chance de mudar esta historia quando abrimos sete pontos, ai os jogadores olharam para o placar e se assustaram.
Magnano, ficou sem ação, pois teve que se defrontar com a falta de fundamentos dos jogadores brasileiros, principalmente de defesa (não adianta sistema defensivo sem defensores.

De positivo:
-Huertas, obrigado a Espanha por nos ter moldado um armador como a anos não tinhamos, acredito que nunca tivemos na verdade.
-Machado, sua evolução neste mundial foi fantstica, pena que Maghano não acreditou mais nele(como Hernandes acreditava).
-Spliter, muito talento, será um grande jogador, mas nao sabe jogar fora da zona de conforto, não sabe jogar de frente pra cesta, tem que melhorar.
-Varejão, grande guerreiro, mas falta fundamentos e talves até talento infelismente.

De esperado ou mediano:
-Barbosa, até se esforçou, mas não tem leitura de jogo, seu jogo se perde em infiltraçoes e chutes impensados, mas da pra se aproveitar.
-Alex, tem como sua grande caracteistica, a garra e a força fisica, mas o tempo esta chegando e o declinio também, alem de ser muito previsivel.
-Guilherme, faz seu arroz com feijão, bom jogador para reserva.
Marquinhos, pode vir a se tornar um Guilherme, bom pra reserva.
-Murilo, tamanho, força, não e burro, falta fundamentos e personalidade.

De negativo:
-JP, deve ter suas despesas cobradas dele.
-Nezinho, por que chamo, chamo por que.
-Raul, não por culpa dele, fez seu papel, foi indicado, aceito por conveniência espero que tenha aproveitado o passeio), quem sabe alguma lição ele tirou disto.

E O TEC. MAGHANO
1 -procuramos controlar um pouco mais o jogo, mas não fomos moldados para isso, o que dificultou.
2 - procuramos defender melhor, mas nao temos fundamentos defensivos.
3 - nao tinhamos movimentações ofensivas, a bola parava demais, e ficavamos dependendo de individualidades, ai tambem apareceram falhas de fundamentos.
4 - no jogo contra argentina, ele mecheu muito mal na equipe, chegando a causar estranhesa, principalmente no ultimo quarto.
Obs.:Ele tinha a chance de provar ser melhor que Hernandez, mas o ultimo jogo confirmou a certeza dos argentinos.

ESTA E A GERAÇÃO QUE NOS REPRESENTARAS NO PRE, TENHO CERTESA, NÃO DA PRA SER OUTRA, CONTINUEMOS OS ACERTOS, CONSERTEMOS OS ERROS, LEVEMOS DOZE EM CONDIÇÕES PELO MENOS MINIMAS DE JOGO.

E CONSERTEMOS NOSSOS ERROS NAS CAT. DE BASE.

Anônimo disse...

Talves eu tenha assistido a este jogo com ceticismo quanto a nossa seleção, mas não vi nenhum jogo tenso, pelo menos por parte dos hermanos.
O que mais me impressionou neste jogo foi a calma do time argentino, e de seu tecnico, em verdade eles comandaram o jogo ate quando estavam atraz, tinham certeza que iam ganhar.
Tivemos uma chance de mudar esta historia quando abrimos sete pontos, ai os jogadores olharam para o placar e se assustaram.
Magnano, ficou sem ação, pois teve que se defrontar com a falta de fundamentos dos jogadores brasileiros, principalmente de defesa (não adianta sistema defensivo sem defensores.

De positivo:
-Huertas, obrigado a Espanha por nos ter moldado um armador como a anos não tinhamos, acredito que nunca tivemos na verdade.
-Machado, sua evolução neste mundial foi fantstica, pena que Maghano não acreditou mais nele(como Hernandes acreditava).
-Spliter, muito talento, será um grande jogador, mas nao sabe jogar fora da zona de conforto, não sabe jogar de frente pra cesta, tem que melhorar.
-Varejão, grande guerreiro, mas falta fundamentos e talves até talento infelismente.

De esperado ou mediano:
-Barbosa, até se esforçou, mas não tem leitura de jogo, seu jogo se perde em infiltraçoes e chutes impensados, mas da pra se aproveitar.
-Alex, tem como sua grande caracteistica, a garra e a força fisica, mas o tempo esta chegando e o declinio também, alem de ser muito previsivel.
-Guilherme, faz seu arroz com feijão, bom jogador para reserva.
Marquinhos, pode vir a se tornar um Guilherme, bom pra reserva.
-Murilo, tamanho, força, não e burro, falta fundamentos e personalidade.

De negativo:
-JP, deve ter suas despesas cobradas dele.
-Nezinho, por que chamo, chamo por que.
-Raul, não por culpa dele, fez seu papel, foi indicado, aceito por conveniência espero que tenha aproveitado o passeio), quem sabe alguma lição ele tirou disto.

E O TEC. MAGHANO
1 -procuramos controlar um pouco mais o jogo, mas não fomos moldados para isso, o que dificultou.
2 - procuramos defender melhor, mas nao temos fundamentos defensivos.
3 - nao tinhamos movimentações ofensivas, a bola parava demais, e ficavamos dependendo de individualidades, ai tambem apareceram falhas de fundamentos.
4 - no jogo contra argentina, ele mecheu muito mal na equipe, chegando a causar estranhesa, principalmente no ultimo quarto.
Obs.:Ele tinha a chance de provar ser melhor que Hernandez, mas o ultimo jogo confirmou a certeza dos argentinos.

ESTA E A GERAÇÃO QUE NOS REPRESENTARAS NO PRE, TENHO CERTESA, NÃO DA PRA SER OUTRA, CONTINUEMOS OS ACERTOS, CONSERTEMOS OS ERROS, LEVEMOS DOZE EM CONDIÇÕES PELO MENOS MINIMAS DE JOGO.

E CONSERTEMOS NOSSOS ERROS NAS CAT. DE BASE.

Luiz Fernando Paes disse...

amigãoqu que falou que o Splitter teve 5 pontos de média por jogo está enganado ..

ele fez 77 pontos no mundial, em seis jogos, dá uma média de 12,8pts por jogo .. uma média a meu ver ainda baixa pro cara ser um dos mais talentosos do elenco ..

mas não chega a ser pífio como vc quis dizer

Anônimo disse...

Esse é o nosso lugar:
Evoluímos da 17ª força no basquete mundial para 14ª!!!

meu ranking (considerando todos os titulares nas respectivas seleções)

1 - EUA (Sem comentários)
2 - ESPANHA (Sem comentários)
3 - ARGENTINA (Sem comentários)
4 - LITUÂNIA (Ainda jogaram o mundial com a equipe B+)
5 - GRÉCIA (Diamantidis sai, mas a escola grega ainda é uma das melhores do mundo)
6 - SÉRVIA (celeiro de craques)
7 - TURQUIA (Completa é fortíssima, com Okur de volta)
8 - FRANÇA (No mundial jogaram sem Parker, Pietrus, Noah e Turiaf)
9 - ESLOVÊNIA (Time muito coeso)
10 - RÚSSIA (Com Kirilenko e Holden de volta)
11 - ALEMANHA (Com Dirk e Kaman são fortíssimos)
12 - AUSTRÁLIA (Com Bogut de volta)
13 - CROÁCIA (Eles entregaram o jogo contra o Brasil para poder pegar a Sérvia)
14 - BRASIL (Destaques para Huertas e Splitter)

Vale lembrar que o Brasil está à frente de bons países, tais como Itália, Canadá e Porto Rico.

Parabéns Brasil!!!

Dead boy disse...

O Huertas jogou mais que eu esperava. Fechou a competição (dados oficiais) com 50% de FG, sendo 47% nos chutes de 3. Além disso, por jogo, quase 6 assistências e mais de 11 pontos. Na eliminação, fez 32 pontos, com 4/8 nos chutes de 3 e 8/8 nos lances livres. Esse pode voltar pra casa de cabeça erguida.

Anônimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=xh0_0vJCdN4

saiu a mix de Nezinho e JP Batista no mundial da Turquia 2010... imperdivel!!!

Anônimo disse...

Alemanha:Dirk se aposentou da seleção. Perderam para a Angola. Na última olimpiada, completos perderam para China. A nova geração não empolga.
França: Sempre foi um time apático. Parker ajudaria muito, mas a França é meio parecida com o Brasil.Nega fogo na hora da verdade.
Croácia: A verdadeira Croacia é a que jogou contra o Brasil. Contra a Servia jogaram no limite e perderam.
Brasil, Russia , Australia, França, Croacia e Eslovenia( um pouco acima) para mim são do segundo escalão do basquete mundial. Porém, passar para a elite requer um salto grande
Acredito que a Grécia deve dar uma caida e a Argentina, no ciclo 2014/2016 também. Que estejamos prontos para sermos postulantes a estas vagas.
Abraços
Luiz

marcelo marques disse...

sou totalmente a favor da mlk já

junto é logico com splitter,huertas


nas proximas competições o brasil deverá enfrentar adversarios fraquissimos
panama,ilhas virgens,chile......etc




o time tem q ir treinando e treinando

e sempre fazer amistosos....etc

o magnano tem q ir em todos campeonatos de base estaduais e da cbb

e nos treinaos das divisões menores


com respeito aos jogadores q não quiserem vir é bom saber desde já com quem a gente pode contar


seleção nova só sub 23

e preparar uma nova geração

chega de convocar duda,jp batista,artur,nezinho....etc

jogadores que sabemos q não servem para nada

eZ disse...

Sabem qual é o pior ?

É que a coisa é tão errada que os treinamentos de fundamento, posicionamento, sistema de jogo terão que ser treinados na seleção.

É tudo errado. O técnico da seleção não é o cara que tem que procurar garotos e revelá-los

E o nível técnico do tal de NBB é uma piada.

Vamos contar com a sorte em aparecer jogadores com fundamento BÁSICO conseguidos por experiência no exterior, muitas vezes graças a base, apoio da família, que muitas vezes é quem banca as "aventuras" e podem planejar a estadia de um filho em uma universidade fora do país.

Por isso tenho muito cuidado em falar que o Ruben precisa dar oportunidade aos mais jovens. Mais jovens de onde ? Na verdade hoje, na situação que está, ele tem que, além de ser técnico da seleção, professor, prover clínicas, trabalhar a base, etc.

Anônimo disse...

O pior é ver que com a derrota os "comentaristas" Paulo Xupeta e Miguel Ângelo da Luz, ficam colocando soluções para o time.
É UMA GRANDE INVEJA dos técnicos brasileiros, coniventes com o fundo do poço onde a seleção chegou, e agora a subida é longa e tem q ser feita calmamente. O Magnano vai conseguir, não restam dúvidas.

Anônimo disse...

Rodrigo, quanto ao jogo em si acho que esgotamos as reclamações e elogios e afastamos algumas tentativas inexplicáveis e sem cabimento de retroceder no que melhoramos.

Destas opiniões eu desconfio muito da origem e de quem fala, mas fazer o que temos que ouvir e respeitar.

Na última frase do seu Post está a explicação mais evidente e clara para essas derrotas não só para Argentina e é o que venho dizendo há tempos aqui."PROCESSO"

Qualquer mudança para melhor é por meio de um processo, este tem suas fases e cada passo é uma delas, nós iniciamos uma mudança com o MOncho, no meio do seu trabalho mudamos para o argentino.

Isso implica em novos ajustes, o que não se faz em 3 meses e trabalho, agora faremso o quê? Mudar técnico de novo?

Outra, é difícl engolir, mas esses jogadores que estão aí com 26, 27 e poucos com 30 anos, dificilmente vão conseguir corrigir vicios de uma carreira inteira.

Mesmo assim alguns alcançaram nivel internacional e isso é louvável. Mas olhando com realismo não podemos exigir coisas que vão além de sua capacidade.

Sempre faltará a base, os fundamentos, aquilo que torna a leitura tática algo natural e não forçado, é isso que tem pesado nos momentos decisivos, onde entregamos que ainda somos aprendizes de uma nova filosofia de jogo.

Nesse proceso, acredito que no fim não jogaremos nunca como a Argentina, a Sérvia , Lituânia , e EUA, etc., pois estes são os melhores no que fazem.

Pegaremos algo que eles tem de bom e que podemos adaptar, mas teremos que jogar como o Brasil e nesse ponto ainda estamos em busca dessa identidade.

Nós temos a anciedade de torcedor e de quem ama o basquete, e que reconhecem que ainda alguns desses jogadores tem potencial para mais, mas na ância de querer vencer esquecemos que ainda estamos corendo atrás de um ENORME TEMPO QUE FOI PERDIDO.

A raiva, a decepção são fatos, mas que passam desde que não seja assim sempre.

abraços

Sandro

Bene disse...

Huertas sem duvida brilhou neste mundial, um exemplo de vontade e tecnica. Brasil, esta iniciando uma caminhada este foi o primeiro ano de Magnano. Ano que vem temos o pre olimpico precisamos conquistar esta vaga.

Anônimo disse...

A evolucao da equipe brasileira eh incomensuravel. Gigantesca. Huertas eh hoje realmente um dos melhores armadores do mundo, se nao o melhor (fora da NBA), pos o Prigioni no bolso. So nao entendi a entrada do Marquinhos no final e o Machado fora. Sempre fui uma das maiores criticas do Marcelinho Machado, mas neste Mundial ele foi muito bem, marcou bem, arremessou na hora certa e acredito que com bom aproveitamento. No final era ele e nao o Marquinhos que tinha que estar em quadra. Mas acho que a evolucao foi gritante, temos um armador do nivel que poucas equipes tem, excelentes pivos e um trabalho que esta comecando bem. Pena que um pouco tarde para alguns desses jogadores, mas ainda ha tempo para chegarmos na Olimpiada de Londres. Parabens aos jogadores e pena que tivemos alguns percalcos no caminho (como as contusoes de Nene e Varejao, e algumas mancadas do Magnano no final do jogo), mas a perspectiva eh boa.

Luiz Fernando Paes disse...

quero ver o dia que jogaremos com Splitter / Varejão / Nenê se revezando ..

sempre dois desses em quadra ..

o mínimo que teríamos seria uma presença forte no garrafão, nos rebotes, nos bloqueios e na defesa ..

com Huertas comandando bem e utilizando o Splitter (só pode ter jogado mal porque não estava bem fisicamente!!), acho que o Brasil tem tudo pra crescer ..

nas alas, ano que vem quem sabe o Marcelinho ainda esteja bem pra ser nosso sexto homem, enquanto Leandrinho, Alex e Marquinhos se revezam, até o Guilherme na 3, de vez em quando ..

será que nenhum ala 3 dos novos tem condições de entrar com mais talento?

nos próximos torneios convocaria o Lucas Bebê e daria um basta no JP ..

Guilherme disse...

Para mim, a chave do jogo foi: A Argentina, quando atrás do placar, manteve o seu padrão. O Brasil deu sinais de desespero. Nós tivemos momentos para fechar a partida, quando abrimos 7 e depois 6 pontos e não soubemos, e quando eles tiveram a chance, mataram.
O fato é que a Argentina consolidou uma escola de basquete, algo que nós estamos em busca Vivemos de talentos que surgem isolados, e pela primeira vez em muito tempo, nesses dois últimos anos pareceu um time.

Luis Gustavo Schuck disse...

Sinceramente é preciso parar de proteger Varejão.

Machucado ou não ele foi pro jogo.

A mídia inteira defende ele como o melhor do time, só porque os caras na NBA usam a peruca dele.

Chega de midia, eu vi ele cruzar toda nossa defesa tentando encontrar quem ele deveria estar marcando pois tentou uma dobra burra em um armador.

Tem gente que diz que ele pode marcar um 5 na NBA. Piada.

Ele é um bom brigador, dizer que ele defende bem e confiar nisto é o mesmo que colocar o Tevez na defesa no futebol.

Ele briga, encomoda, mas não anula ninguem.

é um bom reboteiro, nosso melhor inclusive e só.

É INOPERANTE no ataque, não tem jump, não tem gancho, apenas algumas bandeijas bem proximo a cesta.

Não aguento mais este cara, vamos ver ele titular em Cleveland.

Como alguem joga na 4 e não tem um jump? É necessário, nao da pra jogar de pivo no mid-range, não dá. Ou você é Olajuwon ou não joga lomge.

E retomo não vi nenhuma jogada em que a bola fosse posta em um pivo atraindo a defesa e depois este pivo passasse para alguem da linha de 3. Eu entendo isto, como eles não? A Argentina vez isto. Na NBA se faz isto, pq nós não?

Splitter precisa muito de pelo menos um arremesso de perto... teve lance que ele tava na zona morta de frente pronto pro arremesso, aí virou de costa trombou e girou para aonde já estava para um gancho forçado.

Arremessar É PRECISO.

Huertas, Garcia, Machado, Nene, Splitter

banco: Raul, Leandrinho, Tavernari, Varejão, Lucas

Marqunhos, eu pensei que este cara jogava bem, mas qdo vi este mundial, meu deus, nada, nem arremessa, nem dribla, nem passa, nem marca.... quero a vaga dele hehhee

Giovanoni não tem condições de jogar basquete a este nivel, nao tem.

Anônimo disse...

O melhor comentário que li até agora sobre os resultados do mundial está aqui: http://www.draftbrasil.net/turquia2010/a-dor-da-derrota/

Anônimo disse...

Paulo Chupeta comentando é brincadeira. Não treina nem o Flamengo, que é treinado pelo João Batista. Chupeta é a maior piada nacional sobre basquete.

Anônimo disse...

Paulo Chupeta comentando é brincadeira. Não treina nem o Flamengo, que é treinado pelo João Batista. Chupeta é a maior piada nacional sobre basquete.

Anônimo disse...

No início de um jogo do Flamengo pela NBB, o chupeta mandou um atleta dele marcar tal adversário. Neste instante, foi avisado pelo grupo que tal atleta não estava em quadra, estava machucado e não jogaria aquele jogo. O cara sequer acompanha de perto os treinos do time, não sabe seuqre o que acontece no Flamengo e vira comentarista??

Anônimo disse...

No início de um jogo do Flamengo pela NBB, o chupeta mandou um atleta dele marcar tal adversário. Neste instante, foi avisado pelo grupo que tal atleta não estava em quadra, estava machucado e não jogaria aquele jogo. O cara sequer acompanha de perto os treinos do time, não sabe seuqre o que acontece no Flamengo e vira comentarista??

Anônimo disse...

Existe o treinador de basquete, que é o que sabe preparar uma equipe para uma determinada partida
e/ou competição, e existe o técnico, que é aquele da beira da quadra, levando soluções e criando
situações para alcançar um resultado positivo. O Ruben Magnano,demonstrou qualidades como treinador, mas muito mal como técnico.Ele cometeu erros infantis na direção de equipe.

Rodrigo Alves disse...

Caro José Américo, você reclamou na caixinha que foi censurado no seu comentário. Não sei exatamente o que aconteceu (você escreveu e o texto não apareceu?). Mas te garanto não houve censura alguma – nunca há censura aqui, nem moderação, todos os comentários vão para o ar automaticamente. Se não aconteceu, foi por algum problema técnico que eu desconheço, algo que aconteceu na hora em que você publicou. Então peço para que você coloque de novo sua opinião aqui, ela é muito bem-vinda. Abração.

Anônimo disse...

Como não postei meu comentario ainda, alguns pontos de reflexão:

Nossa defesa não funcionou contra a argentina, como já comentado aqui acho que pelo EZ, por diversas vezes o corta-luz no homem da bola estava equivocado e fazíamos a dobra no homem da bola sobrando o Scola para chutar livre de dentro do garrafão e ele estava impecável.

Realmente o LB não possui leitura de jogo ou o time não possuía jogadas ofensivas, mas o que é inaceitável é o chute forçado a 2, 3 metros da linha dos 03 sem pensar inicialmente em infiltrações servindo ao chute de fora ou cavando faltas.

O Marquinhos ficou muito tempo em quadra e ele não estava no jogo!

O Marcelinho ficou pouco tempo em quadra e ele é quem seria o cara (pelo menos é o q tem melhor perfil na seleção) para chamar o jogo nos momentos decisivos.

Concordo com um comentario q foi feito aqui q o LB deveria ter sido chamado pelo Ruben no canto e falado com ele, FILHOTE, NÃO CHUTA DE 03 DE MUITO LONGE NO ESTOURO DO CRONÔMETRO, INFILTRA

É isso e agora é chorar na cama que é lugar quente, apesar ainda cnfio no Nenê e em alguns ajustes para o pré-olímpico do ano q vem.

Abço a todos,

Rafael RJ

Nei Bahia disse...

Rodrigo, vc vai continuar dando crédito a essa frase de Mago Merlin de Prigioni?

Me libere!!!!

Anônimo disse...

O adversário do Brasil sempre vai saber que o único jogador que corta para a cesta é o Leandrinho... Na fiba pode fazer a cobertura não é a NBA, aí só resta o chute de fora (que para qualquer jogador é de baixa porcentagem), fazer o que. Machado e Marquinhos não cortam, os pivôs estavam baleados, o ataque fica previsível, não dá para crucificar o Leandrinho... em situação semelhante até o Lebron James passou por "amarelão"...