quinta-feira, 13 de maio de 2010

QUEM DIRIA: VEM AÍ O JOGO 5




O Minas já não tinha Sucatzky, machucado, e praticamente não teve o jovem Raulzinho (uma assistência em 11 minutos). Como, então, ganhar do Universo, o melhor time da primeira fase do NBB? Resposta: errando menos e buscando os pivôs o tempo todo. Com 21 pontos de Murilo e 18 de Drudi, o time da casa conseguiu o improvável: superou a ausência do baixinho argentino, venceu em casa por 78-70 e marcou o jogo 5 para sábado, às 16h, valendo vaga na final.



Além dos homens de garrafão, o Minas ainda contou com ótima atuação do americano Jeffries, com 19 pontos, sete rebotes e três roubadas. A vantagem chegou a ser de 22 no último quarto, e dali em diante bastou conter a reação do rival. O time de Brasília teve 18 pontos de Alex, ótimo nas infiltrações e péssimo nos chutes de fora, mas a atuação abaixo do normal do quarteto formado por Giovannoni, Arthur, Estevam e Cipriano.

Em todo caso, para mim foi muito (mas muito mesmo) surpreendente o Minas conseguir se manter competitivo sem Sucatzky. O hermano era a alma do time. Cheguei a escrever aqui que, se ele não se recuperasse, a série estaria praticamente decidida. Não estava. Méritos da comissão técnica e para os outros jogadores, que se viraram sem o maior criador do elento. Para o quinto jogo, dizem, ele vai voltar. E agora?

18 comentários:

João Pedro TONHÃO #23 disse...

Assisti o jogo inteiro, bom jogo.. Exelente atuação do Murilo e do Jeffries..
Pensei exatamente a mesma coisa q vc Robrigo, sem o Facundo o Minas não seria nada.. Mas tah ai o grupo jogando mtu e vencendo o Brasília.. Ultimo jogo vai pegar fogo.. Se Guilherme não resolver voltar a jogar vai ficar dificil pro Brasília..!'

Anônimo disse...

Rodrigo, tenha a santa paciencia, esse é o nosso problema, esse esporte é coletivo meu caro, e é ai que se mostra a grandeza de um trabalho , de homens, jogadores e técnico. Sabe com chame isso garra, vontade amizade e respeito. Como já disse é coletivo, sei que o Sucatzky é um excelexte jogador , mas esse time tem 12 jogadores com muita alma e e um tecnico que acredita nesse trabalho.

Anônimo disse...

É surpreendente como o Minas tá jogando para quem não conhece o Luiz Felipe. É um armador bem diferente do argentino, faz o time jogar, pode não aparecer tanto, mas o time joga, todos aparecem. Não me surpreende em nada. E se for analisar bem, o Minas como um todo, como time, coletivamente, está jogando melhor sem o argentino, inclusive marcando melhor, porque o Sucatzki deixa buracos enormes na defesa. É só prestar atenção. Não que vá ganhar o quinto jogo, mas na minha opinião, como time, está melhor agora.

César Willer disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
César Willer disse...

Pois é pessoal. O Facundo sem dúvida é um bom jogador, mas acredito que o Minas joga melhor sem ele.

Acompanho os jogos do Minas sentadinho da arquibancada, o Facundo tem grandes deficiências, não há confiança no seu arremesso de 3, quanto a armação das jogadas ele fica muito limitado a algumas infiltrações e pick in roll com o Murilo. Na defesa ele é uma peneira, não para ninguém.

Com o Luiz Filipe na armação, mesmo com suas limitadas habilidades de kick de bola, dribles e fintas, o time marca melhor e distribui melhor a bola.

Enfim, O Minas está longe de depender apenas do Facundo para garantir a vitória contra o Brasília.

Anônimo disse...

Sempre achei o Minas dependente da criatividade do Facundo. No entanto, o que o time ganha com a sua criatividade, perde com a sua deficiência defensiva. Ele sempre tem que marcar algum outro armador que, mesmo sem a sua criatividade, quase sempre é mais alto, e mais ágil por ser mais novo que ele. Por isso, a grande questão do Flávio Davis sempre foi o momento em que Facundo deve ou não estar na quadra. O que não é nada fácil perceber. Mas no fundo, é esse o motivo, a meu ver, do Minas estar se sustentando sem Facundo na série. Perde em criatividade no ataque, mas ganha muito em força defensiva. Vi o jogo ontem, e o Minas venceu não porque Guilherme, Arthur, Estevam e Cipriano estiveram mal, mas porque o Minas marcou muito bem durante quase todo o jogo, induzindo o adversário a uma infinidade de erros de passe, e anulando as opções de ataque do Brasília. O jogo 5 vai ser duro.

Guilherme disse...

O play-off vai ao 5º jogo fundamentalmente porque Minas tem um técnico, que muito embora não seja um gênio, é melhor do que o de Brasília.

Reny disse...

Não é difícil achar culpados na derrota de Brasília, além do grande mérito da equipe do Minas que jogou muito bem.

Porque se economizou 2 pedidos de tempo para orientar um time que ficou em desvantagem no placar quase o jogo inteiro? Porque foram feitas tão poucas substituições e/ou rotatividade com jogadores do banco, a não ser as substituições por excesso de faltas?

Reny

Anônimo disse...

Perfeito, Cesar e Anônimo das 13:23. Só não acho que o time perde em criatividade no ataque. O que, na minha opinião, acontece é que tem a mesma criatividade, mas é algo coletivo, em que todos participam. Houve uma ponte-aérea linda entre o Luiz Felipe e o Guilherme; o Jeffries cria bem, pivôs e laterais jogam junto... Não fica aquela coisa que todos ficam esperando o que o Facumndo vai fazer com a bola. E concordo que não foram Arthur, Guilherme e Estevam que jogaram mal, como disse o "brilhante" Bira Belo (que visão que ele tem!). Foi o Minas que marcou muito e não deixou eles jogarem. E, como sempre, eles ficam irritadinhos e jogam a culpa na arbitragem. Vamos ver o quinto jogo. Vai ser bom.

BRUNO BH disse...

CONCORDO C/ A MAIORIA DOS COMENTÁRIOS Q O TIME C/ LUIS JOGA + TOMARA Q O ARGENTINO NÃO VOLTE NO 5º JG. DESSA VEZ VAMOS A FINAL !

Anônimo disse...

Anônimo das 14:13. Com a saída do Sucatzky, na minha opinião o Minas perde simplesmente o maior especialista em assistências em atividade no Brasil. Fora a experiência que ele tem em por o time pra jogar, selecionar as jogadas e a capacidade de ditar o ritmo do jogo e de chamar a responsabilidade. Isso é inegável. O que ocorre é que ele não é mais um garoto, e não suporta mais jogar o jogo inteiro no nível que é exigido. O fato de estar de fora das semifinais tem um lado positivo: o time teve que aprender a jogar sem ele, Luiz Felipe está tendo que se desdobrar (com sucesso) e o time se adaptou a um outro estilo de armação. Por isso vem rendendo bem no ataque, mesmo sem a criatividade de Facundo, que certamente Luiz Felipe não tem. E com toda certeza se fortaleceu muito na marcação, com um maior tempo na quadra para o Perez (ótimo marcador) e mesmo o Raulzinho, que marca muito mais que o Facundo. Quanto aos comentários do Bira Belo, sem comentários!!

Paulo Torres disse...

Nos playoffs parece que o Minas "descobriu" alguns jogadores que estavam sendo pouco utilizados. Um deles é o Perez, que entrou bem em toda essa série contra o Uberlândia/Brasília, ótimo defensor. Outro é o Jeffries, que com o jeitão meio desligado dele mostrou que cresce muito nos momentos mais difíceis dos jogos, sempre levantando a torcida minastenista.

E ter levado o Facundo pro banco, mesmo sem condições, parece que foi um belo golpe do Flávio Davis sobre o Lula.

Anônimo disse...

O fato é que em 3 jogos contra Brasília sem o Facundo e liderados pelo Luiz Felipe, o Minas ganhou 2. O único jogo que o Facundo jogou, o time perdeu. Não deve ter ficado um time tão sem criatividade assim. E, com certeza, icou fmais disciplinado taticamente e com uma defesa mais forte.

Anônimo disse...

FALOU E DISSE: O TIME S/ ELE GANHA EM DISCIPLINA TATICA. Q ELE NÃO MARCA NADA TODOS JÁ SABEMOS

Anônimo disse...

Para o ¨genio¨do Guilheme ai em cima, que mania de depreciar os outros. Sabe pq o Brasilia perdeu 2 vezes nos play off:
O Minas tem Técnico e jogadores com alma e disciplinados, estudiosos, companheiros e sabem o que querem, com orgulho do que fazem.
Brasilia gasta seu tempo reclamando e sendo soberbo, se acham melhores que todos, querem ganhar no grito e na pancadaria, deve ser muito dificil administratrar tenta vaidade.

Se o Minas vai passar para a outra fase eu não sei, tomara que sim. Mas e qualquer forma eles já fizeram bonito.

Por que não é o caso de ser genio ou não, é fazer um trabalho bem feito, não só o tecnico, mas toda a equipe. É isso em um esporte coletivo, ganha-se junto e perde-se junto tb. Não existe um culpado. Mas no Brasil é assim tem de achar um cristo. Mas uma coisa queria lembrar o investimeto de cada time, Brasilia tem um bem, mas bem maior mesmo, logo a obrigação é deles. Vamos lá cada jogo é uma historia.

Anônimo disse...

O Minas ganhou sim um jogo de Brasília, na fase de classificação, com o Facundo em quadra. Na casa do adversário e com uma diferença enorme, de lavada. E com o Luiz Felipe cestinha. O argentino deu aula de armação, fazendo inclusive o jogo do Luiz Felipe, que estava inspiradíssimo, aparecer mais. Não creio que ele jogue o jogo 5. Mas se o Minas for pra final, o fato de ter descoberto uma maneira de jogar sem Sucatzky vai ser imensamente positivo, e uma arma a mais.

Anônimo disse...

Como disseram ai em cima...

Minas está jogando muito, parabéns .

Mas o problema de Brasilia é técnico, na verdade o técnico; não há variação em seu jogo, não consegue armar o time quando a situação é adversa, passivo...

Bora Brasilia, para o titulo!!

M.F.S.

Gabriel disse...

A escalação e as substituições do Brasília parecem ser acertadas em contrato. Estevan praticamente 10 primeiros minutos, volta no 3° quarto, e não aparece no último. O Cipriano entra em quadra(não joga)no 2º e 4° quartos. A atuação do Cipriano nesse campeonato é deprimente, patético no ataque e deficiente na defesa, além de fazer dezenas de faltas e tentar provocar os adversários.