sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

KOUROS E OS CAMINHOS DO NBB


Kouros Monadjemi / Foto: Divulgação
O presidente da Liga Nacional vai ter bastante trabalho pela frente



A menos de três semanas do início do Novo Basquete Brasil, é tempo de correr. Da vistoria nos ginásios à implantação de um sistema antidoping, passando por alguns acerto de detalhes no contrato com a TV, a Liga Nacional ainda tem muito a fazer antes de a bola subir. E para deixar o trabalho ainda mais complexo, a crise financeira ainda resolveu cumprimentar alguns clubes. Em entrevista ao Rebote, o presidente Kouros Monadjemi fala sobre tudo isso. Por telefone, ele explica a ausência dos nordestinos, avisa que as meninas só devem entrar após três anos, promete punições severas em questões disciplinares e diz ser impossível, no meio da correria, pensar em homenagem aos bicampeões mundiais. O papo é longo, mas o debate é bom e necessário.

<br />Foto: CBB- REBOTE - Na quarta-feira, a Folha de S.Paulo afirmou que a Liga fechou um patrocínio da Eletrobrás. Já está certo?
- KOUROS MONADJEMI - Ainda não existe valor, nada está definido. O que existe é a expectativa de que o patrocínio aconteça. Devemos assinar o contrato ainda neste mês. A Eletrobrás investe
no basquete e tem o interesse de ver a modalidade crescendo. Tudo indica que nós teremos um bom desfecho.

- Falando em dinheiro, como vai ser a divisão dos custos do campeonato? No dia-a-dia, o que os clubes terão de bancar?
- O custo do campeonato está nas mãos de cada clube. Cada
um tem o seu patrocinador e, dentro disso, eles arcam com a logística - hospedagem, viagem, transporte, parte médica, taxas de arbitragem. Agora, obviamente, a exposição do esporte na mídia vai ser maior, então os patrocínios da Liga devem melhorar. A idéia é que, em pouco tempo, a Liga cubra os principais custos.

Duda, do Flamengo / Foto: CBB- Alguns clubes atravessam uma grave crise financeira.
O Flamengo, atual campeão nacional, é um deles. Assis disputou o Paulista, mas vai para o NBB com um elenco mais fraco. Esses problemas pontuais vão prejudicar o primeiro ano do NBB?

- Não tenha dúvida de que vão prejudicar o esporte brasileiro de um modo geral. Esta crise econômica certamente vai afetar os orçamentos dos clubes. Assis é um caso típico. O patrocinador não tem como manter o investimento. Eles conseguiram outro patrocínio, mas perderam alguns atletas que tinham salário acima da média.

- E como fica a qualidade técnica do campeonato?
- Nós tomamos muito cuidado com a qualidade das equipes.
Na LNB, não basta querer disputar. A fundação da Liga teve 19 equipes, e só 15 vão participar. E assim mesmo Assis vai entrar um pouco esfacelado. Mas esperamos que, nos próximos anos,
a Liga possa ajudar esses clubes com algumas despesas.

>>> "Londrina e Iguaçu não estão no nível técnico satisfatório para
este ano. Eles queriam entrar, mas estavam muito aquém do desejado"


- As mudanças no elenco de Assis aconteceram depois da definição desses 15 times. Com a queda na qualidade técnica, o time corre algum risco de ser substituído na competição?
- Não. Assis vai lutar por uma posição intermediária. Na mesma situação estão Araraquara e Cetaf, que têm investimento médio. Em um ou dois anos, todas as equipes vão se fortalecer.

- Falando em Cetaf, o Estadual do Espírito Santo não teve final. O Saldanha da Gama foi declarado campeão porque o Cetaf não apareceu para o jogo 1. A Liga se preocupa com isso?
- Totalmente. Até porque o estatuto da Liga obriga que as equipes disputem os campeonatos regionais, inclusive com divisões de base, não apenas com os elencos adultos.

Iguaçu / Foto: CBB- Mas o fato de ter havido essa confusão no Espírito Santo influencia no NBB?
- Não, porque o clube não precisa ser campeão para estar na Liga. Nós escolhemos os 20 maiores clubes de tradição no nosso basquete, que tenham disputado o Nacional ou que
se encaixem dentro de uma qualificação técnica. Iguaçu (foto), Londrina e Uberlândia, por exemplo, estão inativos dentro da Liga. Londrina e Iguaçu não chegaram ao nível técnico satisfatório para este ano. Eles queriam entrar no torneio, mas as equipes estavam muito aquém do desejado.

- Quem é que decide quais times que podem ou não entrar?
- Essa decisão é de uma comissão técnica formada por treinadores de gabarito e hoje coordenada pelo Lula Ferreira.

>>> "O que não pode acontecer hoje é, pelo fato de ter que colocar uma equipe do Nordeste ou do Norte, obrigar 15 times a viajar até Pernambuco, Pará ou Amazonas para fazer um jogo que termina 120-40"

Jogo da Liga Nordeste / Foto: Reprodução- O Nordeste não tem equipes na Liga. Isso também foi uma questão de critério técnico?
- A Liga não existe só para meia dúzia de clubes elitizados. Nossa intenção é unir o Brasil. Mas você há de convir que, por mais que nós estejamos bem otimistas, o primeiro passo é criar o campeonato. Vamos olhar para a Liga Nordeste. Possivelmente faremos um torneio regional, para que saia o campeão de lá e dispute com equipes vencedoras do Sul, até incluir um ou dois times. O que não pode acontecer hoje é, pelo fato de ter que colocar uma equipe do Nordeste ou do Norte, obrigar 15 times a viajar até Pernambuco, Pará ou Amazonas para fazer um jogo que termina 120-40.

- E quando esse cenário vai mudar?
- Temos que cuidar do Nordeste para fortalecer essas equipes. Acho que, em cinco anos, poderemos ter condições de trazer alguns representantes da região para disputar a Liga.

>>> "Quem cometer indisciplina
vai ser severamente punido"


Reprodução de vídeo- Nos torneios nacionais, nós costumamos ver, com uma freqüência bem maior que o normal, jogadores brigando dentro da quadra. Dificilmente eles têm longas suspensões, e a certeza da impunidade abre caminho para novos tumultos. A Liga já pensou nisso?
- Sem dúvida nenhuma. Acabamos de aprovar um regulamento rígido a ponto de multar atletas por indisciplina e determinar suspensões, troca de mando de quadra. Isso vai ser colocado
em prática. Aliás, não só isso, mas também o exame antidoping. Quem cometer indisciplina será severamente punido. Tivemos uma reunião com todos os técnicos, conscientizando-os disso.

- Há um custo alto para o antidoping. Os clubes vão bancar?
- Eu sei que o antidoping custa caro, mas para moralizar o esporte, é preciso estabelecer esses parâmetros. Estamos
vendo o custo real para analisar a melhor maneira de fazer.

>>> "Acho que as meninas não entram antes de três anos. Nós precisamos nos sentir confortáveis
e certos de que temos condições"


- As meninas ficaram meio chateadas com a Liga, que as deixou fora da festa. Qual o plano para o basquete feminino?
- Diga para elas não ficarem chateadas comigo não. Nós não conseguiríamos abraçar o mundo. A idéia do feminino não nos sai da cabeça, temos todo o interesse de fazer, mas é preciso um pouco de tempo. Vamos ganhar em organização, infraestrutura. Depois vamos tentar apontá-la para o feminino também.

Karina e Êga / Foto: CBB- Quanto tempo vai levar até termos as meninas no NBB?
- Acho que não antes de três anos. Precisamos nos sentir confortáveis de que temos condições. Precisamos levar o basquete para o seu lugar de origem, como segundo esporte mais popular do Brasil, atrás apenas do futebol. Temos que resgatar essa credibilidade porque, sem ela, não dá para viabilizar certas coisas. Nosso modelo hoje é o vôlei, que tem uma administração fantástica. Queremos chegar ao mesmo patamar. Aí sim vamos pensar em buscar o feminino. Mas vai acontecer sim, pode esperar.

- O Novo Basquete Brasil começa no dia 28 e, três dias depois, o primeiro campeonato mundial do país completa 50 anos. Vocês estão preparando alguma homenagem aos jogadores?
- Não pensamos nisso não. Você não tem idéia de como está sendo difícil colocar tudo para funcionar no dia 28. Temos que fazer vistoria das quadras, terminar os detalhes do contrato com a televisão, criar logotipo nos uniformes, é tanta coisa para fazer que eu tenho medo de pensar numa festa neste momento. Seria uma pretensão muito grande. Quem sabe a gente pode fazer essa homenagem no Jogo das Estrelas, ao fim do primeiro turno.

15 comentários:

adriano disse...

Rodrigo, parabéns pela ótima entrevista. Sinceramente, gostei das respostas também. Ainda há muito o que fazer, mas dá pra ver que o coração do Kouros está no lugar certo. Abraço

Bruno disse...

Também gostei das respostas, otimistas e ao mesmo tempo realistas. O basquete brasileiro precisa começar a deslanchar agora.
Essa será a segunda iniciativa de liga feita em cinco anos.Se não for exitosa, dúvido que algum patrocinador coloque dinheiro em uma terceira chance.Resumindo:é agora ou é agora!!

Mathias disse...

Rodrigo, excelente matéria, e parabéns ao presidente da LNB pelas respostas, mostrou ser uma pessoa coherene e sensata nas suas observações.

A proposta de cruzar o campeão e vice de cada campeonato é uma realidade

Tentamos em 2008 um "final four" com o campeão e vice da Supercopa Nordeste (Cabo de Pernambuco e Fac. M. Nassau da Bahia) e o campeão e vice da Supercopa Brasil (Franca e Assis de SP).

Concordo no abordado em relação a custos e tenho certeza que uma forma de cruzamento em "final four" seria o mais sensato.

Estamos abertos para o diálogo.
Grande abraço a todos e parabéns novamente pelo espaço, Rodrigo!

Mathias
liganordeste@liganordeste.com

eZ disse...

blablablablabla

continuo cetico ....

Manoel Paulo disse...

Temos que dar um voto de confiança para esse novo projeto. Agora é torcer para dar certo e o basquete brasileiro retomar o caminho das vitórias.

DDefilippo disse...

Respostas satisfatórias. Acredito que o início tem que ser com as melhores equipes e que tenham estrutura para ir ate o fim do campeonato. Com essas equipes os gastos seriam menosres no priemiro ano e proporcionariam que a NBB buscasse recurso apra os proximos anos.

Em relação as equipes que foram consideradas com nível técnico e sem estrutura, as mesmas poderiam se organizar e realizar um campeonato regional com o objetivo de crescimento. Essas equipes poderiam procurar Universidades locais como forma de parcerias. As Universidades podem ofercer investimento através de projetos onde os alunos(Ed. fisica, Fisoterapia, Adminsitração, Marketing...) possam participar como aquisição de experiência. Os projetos podem capitar recursos da iniciativa privada ou governo.

Apenas uma idéia

Abs

Jota_Londrina disse...

Eu me perguntava o porquê de a equipe de Londrina não estar no campeonato, e agora tenho a resposta. Mas pera aí!
Não jogar por falta de nível técnico?!?

Ainda mais sendo analisado pelo treinador que dizia ter uma boa seleção nas mãos e que só coleciona fracassos e últimas posições. Que moral ele tem para isso?

Isso é uma sacanagem com a torcida de Londrina que sempre esteve entre as maiores do país.... com um excelente ginásio (Moringão)

É revoltante ler uma coisa dessas... menos mal que a equipe está "inclusa" na liga.. e poderá talvez na próxima edição participar.

Quero só ver como será o nível dos jogos do campeonato...
Quero ver se todas as equipes são tão melhores do que as "sem nível"

E por último... com a parceria com a rede globo e maior visibilidade de patrocinadores... será que essas equipes consideradas sem nível não poderiam contratar alguns jogadores antes ou até mesmo durante o campeonato?

Feito o desabafo!!!

Jonathas disse...

como diria Dr.Paulo Murilo,
amém.!

Samuel Henrique disse...

Espero sinceramente que de certo pois do jeito que vai o feminino, não nos classificaremos para a próxima olímpiada. Logo espero que o masculino classifique pois do contrário o Basquete realmente ficará de fora da Olimpiada.
Talves assim as pessoas olhem pelo feminino. So louco mesmo para trabalhar com este naipe. So sendo muito louco. Vida que segue...

adriano disse...

a idéia do DDefilippo é ótima, o Iguaçu jogou o Carioca este ano em parceria com a Unisuam. Não funcionou muito bem, mas acho que bem pensada e bem organizada, uma parceria dessas seria perfeita.

Quanto ao sentimento do jota_londrina, é foda mesmo. Eu estou intrigado, porque Assis vai com um time desmontado e, pelo que se comenta, Cetaf e Saldanha não têm a menor chance, vão com times bastante inferiores tbm. Então onde está esse critério técnico? Mas estou paciente e dando o voto de confiança. abraços!

Duda Pereira disse...

KOuros mostrou muita coerência nas palavras. Agora vamos esperar para que a liga tome o mesmo rumo delas!

Rodrigo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
RAO* disse...

mto boa entrevista Rodrigo, e tb gostei das respostas, agora vamos ver se o basket brasileiro corresponde a altura das expectativas, negócio é torcer =]

eZ disse...

Jota_Londrina Concordo com tudo q vc disse...

eh sempre o povo da panelinha nos bastidores. SEMPRE! vamos ter q esperar esse povo todo morrer pq n vao largar o osso ...

Eu concordo com a ideia de nivelar e de fazer jogos proximos ... mas pq n fazer um esquema de `conferencia` para evitar viagens desnecessarrias ?

N quero parecer o chato q bota defeito em tudo, mas realmente, tudo sempre vai mudar, sempre agora vai.

Eh q nem mulher de marido bebado q trai e ainda toma porrada .... 'Dessa vez eu paro, num bebo nunca mais'

entao ela acredita e volta p casa!

uhauhauhauh

ateh tomar a proxima porrada!

O lula foi premiado pela competencia!!!
afe

Biribol Uberaba disse...

Eu acho que o novo molde vai sim conseguir obter sucesso!!!! Mas esperar este molde chegar a um patamar da administracao da CBV para incluír o feminino, aí já é um absurdo. A CBV demorou anos para colocar o vôlei do Brasil aonde está e eles não fizeram distinção de masculino e feminino. Se adotarem esta política o vai acontecer com o feminino o que está acontecendo atualmente com o masculino, ou seja, ficaremos fora de olímpiadas e se não ficarmos fora de mundial também.
Pense bem nisso!!!!!
Abraços a todos.
Sergio Zago - Uberaba/MG.