sábado, 10 de janeiro de 2009

UM GIRO EM PORTUGAL


Clarissa / Foto: Divulgação

O fim de semana é de estreia brasileira na Europa: Clarissa faz sua primeira partida oficial pelo Vagos, de Portugal. A pivô carioca (sim, ela é de Campo Grande, bairro do Rio, e não Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, como diz o site do time) já disputou um jogo amistoso contra um time sub-18 masculino, mas agora é para valer: o adversário deste domingo é o Boa Viagem, líder da liga nacional. Para termos uma idéia do que Clarissa vai encontrar no outro lado do Atlântico, nada melhor do que bater um papo com quem já está por lá há algum tempo. Então o Rebote conversou com Fernanda Beling. A ala do Vagos, que vestiu a camisa da seleção brasileira nas Olimpíadas de Pequim, nos ajuda a saber um pouco mais sobre o que rola no basquete feminino português.

Fernanda Beling / Foto: Reprodução- REBOTE – Que diferenças você notou entre o basquete em Portugal e no Brasil?
- FERNANDA - Na Europa em geral temos um jogo mais físico e lento, mas de fácil e rápida adaptação. Nosso time faz um bom investimento. Eles têm todas as categorias de formação até o adulto, tanto masculino como feminino. Nós do adulto temos uma estrutura excepcional. São seis restaurantes disponíveis, um excelente apartamento, TV a cabo, internet, telefone, carro, lavanderia, não nos falta absolutamente nada.

- Como é a sua rotina aí?
- Treino todos os dias em dois períodos, exceto segunda-feira, que é a nossa folga – jogamos nos fins de semana. No tempo que tenho livre, quando não estou muito cansada, gosto de passear em Aveiro, uma cidade turística linda, e vou também às praias que temos aqui na região. Vou muito ao cinema e a jantares com amigos. Em casa estou sempre na internet, muitas vezes no Skype e vendo a Record e as novelas da Globo – no momento são quatro passando aqui, mas infelizmente não consigo acompanhar todas (risos). Moro com a portuguesa Raquel e com a Clarissa, que se juntou agora ao time.

>>> "Temos seis restaurantes disponíveis, um excelente apartamento, TV a cabo, internet, telefone, carro, lavanderia, não
nos falta absolutamente nada"


- Como é o trabalho de base aí comparado com o do Brasil?
- Não podemos generalizar o Brasil por inteiro, porque o trabalho de base que é feito em São Paulo, por exemplo, é diferente de qualquer outro lugar, com estrutura, muito trabalho e qualidade. Aqui existem vários clubes com base, mas eles deixam a desejar em alguns aspectos. Treina-se pouco e com pouco nível.

Fernanda Beling e Paulo Bassul / Foto: CBB- No último Eurobasket masculino, Portugal até conseguiu boas vitórias e fez um papel bastante razoável. Mas no feminino a seleção não jogou em 2007 e também não se classificou para 2009. O Vagos tem duas jogadoras na seleção. O que elas comentam sobre a situação do basquete?
- Sim, a Carla e a Sara são jogadoras da seleção. Alguns fatores que acontecem são pouca rodagem internacional, pouco tempo de treinamento e pouca disponibilidade, pois não são todas que têm o basquete como profissão. Muitas delas trabalham e estudam, não estão disponíveis em tempo integral.

- Falando em seleção, você foi às Olimpíadas e, claro, quer continuar sendo convocada. Seu planejamento para o futuro com a seleção passa pela escolha do lugar onde vai jogar?
- Acredito que o lugar onde trabalho não influencia numa convocação. Sei que o técnico acompanha os trabalhos feitos em todo o mundo e sabe bem onde estão e o que estão fazendo as jogadoras. Pode influenciar em relação a cada uma se apresentar melhor ou pior. Ainda não sei sobre as próximas temporadas. Aqui em Portugal acaba em maio, depois quero jogar o Paulista.

6 comentários:

Anônimo disse...

sucesso para a clarissa

mais mudando de assunto o marcio dornelles de franca esta jogando muito creio q finalmente achamos nosso numero 3

será q o moncho monsalve esta assitindo algum jogo do campeonato paulista

Anônimo disse...

A Clarissa merece, que procure sempre evoluir!

Também mudando de assunto...
Credo, o que foi o Hélio Rubens com aquela cadeira?! Até quando nós teremos que aguentar essas PALHAÇADAS em todos campeonatos nacionais e estaduais?!

Paulo/RJ disse...

Rapaz ta gorda hein? Ta lembarndo a Ruth no final de carreira!!!
Que físico terrível...nem sei como consegue jogar desse jeito!!!
Vamo fechar a boca, emagrecer minha filha...uns abdominaiszinhos vão bem...e que grossura de braço...

Anônimo disse...

Aí Paulo,
segue o resultado da gordinha na sua estreia:
"Clarissa dos Santos fez o seu primeiro jogo oficial em Portugal e mostrou porque é considerada uma das melhores "debaixo do cesto". Fez 23 pontos, 16 ressaltos (9 defensivos e 7 ofensivos), roubou a bola uma vez e assistiu outra vez para cesto. Estatisticamente somado recebeu 25€ de valorização.

Fecha a Boca e abre o olho.

Paulo/RJ disse...

Fala anônimo..(escreve o nome covarde)
Que liga ela joga? Portugal? Nem sabia que lá tinha basquete, sinceramente!!!
Independente disso ela deve ser mesmo talentosa..mesmo com o sobrepeso...mas quero ver ela jogar em alto nível, contra Australia, EUA e companhia...ela precisa mesmo cuidar do físico!!! Tá Horrivel!!!
É a minha opinião...é muita publicidade para um começo de carreira de uma gordinha ai...

Tá cego?

Anônimo disse...

Bruno

Olha, acho que é muita festa para ainda pouco jogo.

Ninguém pode discutir suas perfomances no campeonato brasileiro,em que pese seu nível técnico ter sido fraco,mas o fato de estar em Portugal,é sim já uma vitória, embora eu concorde com o anonimo,basquete feminino em Portugal,não consegue chegar entre os 16 do Europeu.A sua passagem pela seleçào brasileira no mundial foi bem discreta,então vamos com mais calma e menos oba! oba!