segunda-feira, 29 de março de 2010

A PERGUNTA DO MESTRE




Para qualquer mortal que se atreve a escrever qualquer texto sobre qualquer esporte, Armando Nogueira é uma referência. Sua morte, na segunda-feira, aos 83 anos, é um golpe no jornalismo – não o jornalismo esportivo, mas o jornalismo, puro, sem necessidade de complemento. O legado de Armando, às vezes reduzido ao texto brilhante, é infinitamente maior que isso. Foi o homem que colocou o telejornalismo no mapa, fundou programas como o Jornal Nacional, formou boa parte da elite da imprensa atual e, sem dúvida, ainda será muito citado nas próximas décadas.

Para mim, foi também o homem que perguntou, desviando completamente o assunto da conversa durante um Redação SporTV: "No basquete, o lance livre é psicológico ou é técnica?". E eu, meio surpreso, improvisei meia dúzia de palavras irrelevantes, sendo que ele próprio seria capaz de responder aquilo com muito mais talento. Depois do programa, como de hábito, todos foram tomar um café no corredor. Ali ele mal me olhou, mas já estava de bom tamanho. Não vou esquecer que, um dia, Armando Nogueira me fez uma pergunta. Como se eu soubesse aquela resposta, e ele não. Generosidade é isso.

2 comentários:

Bernardo disse...

Qual o tipo de jornalismo que ele fazia?
Fazia um jornalismo manipulador, pobre e que servia a ditadura. Foi cão de guarda de um dos piores momentos da história do Brasil. Não sei qual era seu conhecimento esportivo, sei que de democracia e idepedencia ele não entendia.

Duda 11 disse...

Para com isso Bernardo! Ele teve o momento dele, o que vinha acima era muito maior! Era um sábio, um mestre com as palavras, grande jornalista!