sexta-feira, 30 de julho de 2010

PAPO DE MUNDIAL - RUBÉN MAGNANO


Mesmo sem a chance de ver os treinos da seleção, é natural que, ao longo dos dias, algumas perguntas comecem a aparecer – o debate aqui nas caixinhas é a maior prova disso. Na maioria dos casos, são perguntas que só Rubén Magnano pode responder. Algumas delas eu fiz para o argentino numa conversa ao fim das atividades de quinta-feira, no Marina Barra Clube. Como ainda é cedo para tomar decisões, o campeão olímpico pode até esconder o jogo de vez em quando, mas nunca se recusa a falar, seja qual for o tema. Então a tendência é que o papo se repita conforme surgirem novas questões. E você? Tem alguma pergunta para Magnano? Diga lá na caixa, que na próxima oportunidade eu tento transmitir a ele. Por enquanto, confira a conversa de ontem, sobre as tendências para o grupo do Mundial e o treino aberto aos técnicos.

>>> "Devemos avaliar no dia a dia o que está acontecendo aqui. Não só no aspecto técnico, mas físico, médico. As situações precisam ser avaliadas. Não teremos pressa com isso"

- REBOTE - Você tem conseguido ver os jogos do Sul-Americano?
- RUBÉN MAGNANO - Sim, mas muito mal. A gente vê uma cesta, aí a imagem trava, depois a bola já está do outro lado, não dá para ter uma noção exata. Ainda assim, estou gostando bastante do trabalho que a seleção está fazendo na Colômbia.

- Jogadores como Murilo e Tavernari têm se destacado. Eles estão mais perto de garantir vaga para o Mundial?
- Perto estão os 12. É claro que alguns têm mais possibilidades que outros, por causa das posições e pela avaliação. Mas todos estão perto, inclusive os que estão trabalhando conosco aqui no Rio.

- Você tem aqui oito jogadores do grupo original, e mais o Marquinhos. São mesmo três vagas que estão em aberto?
- Não sei. Devemos avaliar no dia a dia o que está acontecendo aqui. Não só no aspecto técnico, mas no aspecto físico, no aspecto médico. São situações que precisam ser avaliadas. Não vamos ter pressa com isso. Vanderlei vai voltar da Colômbia e vai trazer os jogos da seleção no torneio amistoso na Venezuela e também os do Sul-Americano. Aí sim poderemos avaliar um pouco melhor.

- Tem conversado com o João Marcelo [técnico da seleção B] por telefone?
- Sim, sim, conversei com ele. É muito importante este contato para ajudar na decisão final que vai formar a equipe.

- Você considera a possibilidade de levar dois armadores além do Huertas?
- Sim, sim [enfático]. É uma opção.

- E um desses pode ser um jovem com o Raulzinho, para pegar experiência?
- Pode ser uma possibilidade. Pode ser.

>>> "No meu estilo, não jogo com dois armadores, mas há uma possibilidade tática aberta"

- Você gosta de jogar com dois armadores ao mesmo tempo na quadra?
- Não, é difícil. É uma situação tática especial. No meu estilo, não jogo com dois armadores, mas a possibilidade tática está aberta para um momento em que for necessário.

- E no garrafão? A tendência é que Tiago Splitter e Nenê se revezem na posição 5 ou você pretende usar os dois ao mesmo tempo?
- Pode ser que encontremos uma situação em que os dois joguem juntos, por que não?

- Você parece ter um carinho especial pelo Varejão.
- [Pensativo]

- É uma impressão que passa. Como você quer o Anderson na seleção? Ele vai continuar sendo diferente do Anderson da NBA, que não pontua muito?
- Em relação à simpatia, eu tenho simpatia por todos. É um dos jogadores que conheço há muito tempo, desde que começou, ainda pequeno. Ele também vai estar presente no aspecto ofensivo. É preciso que continue alimentando esta confiança. Não só defendendo, também podemos aproveitar sua capacidade no ataque.

>>> "Sejam bem-vindos os técnicos que participaram. Me alegra muito que tenham aproveitado algo, por menor que seja"

- Na segunda e na terça, o treino foi aberto a técnicos brasileiros. Como foi essa experiência? Você chegou a conversar com eles?
- Não, não conversei. Não sei qual foi a opinião deles, mas espero que seja uma maneira de colaborar e para eles avaliarem a qualidade do nosso trabalho. Se puderam aproveitar alguma coisa, que seja bem-vinda essa ideia.

- Todos eles parecem ter saído muito satisfeitos.
- Então isso me deixa contente.

- O fato de nenhum técnico do NBB ter comparecido aqui no Rio te decepciona?
- A mim, não, absolutamente. Sejam bem-vindos aqueles que participaram. Me alegra muito que tenham aproveitado algo, por menor que seja. Não me incomodo em nada com os treinadores que não vieram.

27 comentários:

Luiz disse...

ESPETÁCULO DE ENTRVISTA RODRIGÃO...
SÓ ESQUECÍ DE PEDIR PARA VC PERGUNTAR QUE DIFERENÇAS ÊLE VÊ ENTRE TRABALHAR PREPARANDO ESTA SELEÇÃO E TRABALHAR PREPARANDO A BEM SUCEDIDA SELEÇÃO ARGENTINA...
PÔ...FICA PARA OUTRA

Anônimo disse...

Realmente, o blog é referência na cobertura da seleção.

Parabéns

Rodrigo,

Se não me engano a seleção B parte da Colômbia direto para a Argentina para disputar o Super 4, sendo que a seleção joga no final de semana que vem em Brasília.

Gostaria de saber se o Magnano já definiu se o time que jogará em Brasília será composto pelos jogadores que ficaram treinando no Rio ou já contará com elementos da seleção B.

Leonardo Rodrigues

Diego disse...

Rodrigo,

Acabei de entrar no blog do Paulo Murilo e há uma referência à sua matéria quanto a ausência dos técnicos do NBB nos treinos da seleção.
Acho interessante você ler e se possível comentar, abraço.

Anônimo disse...

Paulo Murilo,
Grande Don Quixote !!!!
Felizmente uma voz a favor dos grandes técnicos brasileiros,dedicados,trabalhadores e humildes!!!
Classe sobrevivente,lutadores anônimos de uma modalidade massacrada por dirigentes egoístas,desonestos e quase acabaram com o nosso basquete.

Graças aos técnicos da NBB , que infelizmente foram taxados de preguiçosos e arrogantes é que temos ainda basquete no Brasil.

Estes técnicos Sao heróis e comandantes e não abandonaram o que mais amam na vida: o Basquete

E digo mais: acredito muito mais em um brasileiro não tão preparado ,porém que AMA sua pátria e o basquete do que qualquer super técnico estrangeiro.

Somente de as mesmas chances e condições de trabalho que estão dando para um técnico estrangeiro.
Um comparativo, me lembro que o Lula era técnico do Coc, dava aula em faculdade, consultoria para mídia e também técnico do Brasil para sobreviver.

Agora o super técnico tem casa na melhor região SP,motorista,carro,celular,viagem particular para família,,salário exclusivo para ser técnico ate 2012,uma multa gorda de rescisao,auxiliar argentino(nem para auxiliar técnico o brasileiro serve)

Anônimo disse...

.... Continuando

De tudo isso a uns preguiçosos e arrogantes e vamos ver aonde nossos técnicos brasileiros vão parar.

Ou Nene,Leandrinho,varejão,alex,Marcelinho,huertas, etc foram formados pelos super técnicos.

Parabéns Paulo Murilo pela clareza e riqueza em seu post.
Jose

Anônimo disse...

É com esse pensamento bairrista do anonimo acima que o basquete no Brasil não evolui.

Anônimo disse...

Texto ridículo do blog do Paulo Murilo. O cara se preocupa mais em escrever bonito do que explicar seu ponto de vista.

Anônimo disse...

Admiro muito o Prof. Paulo Murilo, ele que antes era um dos maiores críticos do atual basquete brasileiro, agora entrou no bolo para defender os técnicos medíocres do Brasil que só sabem arremessar de 3...

Anônimo disse...

O anônimo alguns comentários acima vive no mundo da fantasia. Temos sim que buscar o melhor para o basquete brasileiro, ou seja, um técnico estrangeiro. Vimos como a seleção trabalhou com um técnico espanhol de 2a linha; agora temos um técnico argentino do primeiro escalão. Tenho certeza que nossa seleção terá muito sucesso com isso. Infelizmente, como o Rodrigo informou, nenhum técnico da NBB foi aos treinamentos da seleção para absorver algo de bom disso. Uma pena mesmo...

Anônimo disse...

Os técnicos do NBB são medíocres e arrogantes mesmo... Acham que o basquete que praticam esta otimo... 3 olimpíadas seguidas de fora ja basta...

Anônimo disse...

A resposta a esse embate téc. nacional x téc. estrangeiro, quem pode dá são os jogadores da seleção brasileira. Pelos inúmeros elogios desde os tempos do Moncho, nem precisa falar muita coisa.

Leonardo Rodrigues

Anônimo disse...

A espanha campeã mundial tem um técnico italiano.

Infelizmente esse pensamento do leitor José aqui é o que mata o Brasil, não somente em áreas como o basket, mas em diversas outras áreas do Brasil.

O Blog é um espaço de debate e de pontos de vistas distintos, obrigado Rodrigo por colaborar com sensatez onde muitos não tem.

-------------

Falando da entrevista, o Magnano pareceu meio que fugir das definições.
Na próxima, gostaria que perguntasses o que mais ele deve trabalhar pra virar um time de primeiro escalão.

Marcelio Leal

Rodrigo Alves disse...

Amigos,

O Paulo Murilo tem todo o direito de retrucar. Ninguém gosta de ser criticado, apesar de a crítica ser direcionada a técnicos que têm perfil oposto ao dele - para mim foi o melhor do NBB-2.

E se ele julgou que meu comentário foi grosseiro, também entendo que tenha respondido com grosserias e insinuações totalmente fora de contexto. Normal, é do jogo. Não deixo de admirá-lo como técnico por isso.

Abraços.

Anônimo disse...

Como se pode culpar os técnicos???
De o basquete existe ainda é por causa destes técnicos.
O anônimo que disse que Sao arrogantes e medíocres deve ser parente dos técnicos digitais,onde atras do computador se constrói cidades,se monta times, se joga pôquer e não conhece o mais importante: contato humano,motivar seus jogadores nos treinos e nos jogos, na vida real.
Ao invés de ficar no banheiro com o note com mulheres peladas, deveria sentir como é bom o contato de pele.
Vai ser vitrine um dia ao invés de pedra.

Anônimo disse...

Rodrigo,
Primeiro eram os técnicos brasileiros.
Depois somente os da NBB.
Agora os que tem o perfil oposto ao do Paulo Murilo.
Afinal,da para dizer quem é ou quem Sao?
Por que jogar todos na lata do lixo e depois suavizar fica pior.
Fale quem Sao e deixe eles se defenderem se quiserem.
Aí poderemos ter um debate interessante.

Fábio Carvalho disse...

"E digo mais: acredito muito mais em um brasileiro não tão preparado, porém que AMA sua pátria e o basquete do que qualquer super técnico estrangeiro."

Caro anônimo, são declarações como essa que refletem o estágio que vive o nosso basquete. PROFISSIONALISMO vale mais do que vontade, raça, ufanismo, ou seja lá como queira chamar. E se as condições de trabalho dos técnicos são ruins, que a classe de técnicos se unam para criticar e lutar por melhores condições. Afinal, só assim será possível mudar o panorama atual. O que não pode é ficar no conformismo e não ter a humildade de ver de perto o trabalho de um colega tão qualificado. Finalizando, críticas fazem parte de qualquer tipo e ambiente de trabalho. Ponto.

Rodrigo, parabéns pela cobertura.

Anônimo disse...

Caro Fabio,
O que vc nao sabe é que o Rubens M. Se reuniu em um hotel fazenda em Indaiatuba Com todos os tecnicos da NBB apos o termino do campeonato,e quem levou foi a LNB.
Portanto pessima cobertura profissional do Rodrigo.
E ainda tentando induzir o RM a falar contra a nao uda dos tecnicos da NBB.Ai foi maldoso, prepotente,e corneteiro.
Vc Deve ser outro da turma do amendoim digital, que nao tem a minima nocao do que esta falando.
Sobre criticar, tambem podemos faze-lo, ou nao?
Jose

Fábio Carvalho disse...

Jose,

uma reunião no hotel fazenda em Indaiatuba é melhor que sessões práticas de treino??!!
E quem é o Rodrigo pra induzir um cara como o Magnano? Acho que o maldoso aqui atende por outro nome.

Att.

Anônimo disse...

Mandem o Magnano embora então e chamem o Chupeta pra dirigir a seleção... Sabichões!!!

Anônimo disse...

Na boa? Esse blog é uma tremenda vaselina!

Arthur Malaspina disse...

Acho legal a discussão, mas alguém achar que um técnico nacional com garra e amor vai fazer melhor trabalho que um campeão olímpico é dose... se é assim, sugiro ao Lakers que demita P-Jax e venha no Brasil pegar algum técnico cheio de garra e amor...

Anônimo disse...

Fabio,
Joao Marcelo não fez um bom papel?
Coloco o Brasil com um time meia boca no Pre Ol e no Pan.
Então esse brasileiro não serve nem para ir aí Mundial como auxiliar do GRANDE Magnano??
Não merece aprender???
Ou é melhor ir ver uns 2 treinos para aprender.
Sou nacionalista sim, e nem um pouco hipócrita.
Qual estagio então que oJM poderia se enquadrar?
Se o RM é o cara , pq não esta na Sel Argentina?
Por que foi demitido do Atenas?
Cai na real,seja brasileiro,valorize mais o que é nosso, de condição.
Esta Sel B, esta largada pela CBB e também pelo Grande RM.foram sem ninguém, e ainda por cima no dia do embarque para o Sul Americano o JM foi cortado do Mundial.
Uma vergonha para os técnicos brasileiros.
Ta aí ...
Parabéns J M pela garra,Amor,dedicação,humildade,"arrogância",falta de profissionalismo , e por saber o quanto foi sabotado por RM e CBB.
Vcs sozinhos, sem necessidade de " ver" treinos conseguiram a classificam com sobra , graças a sua " incopetencia" e seu " amadorismo".
Parabéns!!!
Você representou muito bem toda uma classe sobrevivente e esperançosa que nós brasileiros podemos com dedicação, garra, amor conquistar por nos mesmos nossas glorias, basta nos dar apoio, tranqüilidade,e experiência.

JM, Enio, Regis parabéns por serem nossos espelhos!!!

E no Mundial vamos torcer pelos GRANDEs Argentinos RM e seu fiel escudeiro auxiliar técnico argentino.
Jose
Obs: Não estou agüentando: CHUPAAAA Rodrigo,Bala, Fabio e anônimos que não acreditam nos técnicos brasileiros e da NBB.

Técnico de Basketball disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Técnico de Basketball disse...

Meu comentário ficou enorme... Estou publicando no Mais Basquete (http://maisbasquete.blogspot.com). Deixou dois links de jogos que Paulo Murilo publicou e que mostram o sistema de jogo que ele propõe.

http://blog.paulomurilo.com/2010/05/05/vencendo-as-limitacoes-num-grande-jogo/

http://blog.paulomurilo.com/2010/04/16/pensando-o-futuro/


Abraço.

Fábio Carvalho disse...

Ok, anônimo. Pelo menos agora ficou claro QUEM você quer defender. Acho que o João Marcelo é bom técnico sim, e que deva continuar evoluindo. Também acho que ele poderia ir ao Mundial, mas não é por isso que o Magnano deixará de ser um bom técnico. E sendo ele o técnico, tem todo o direito de escolher que ele acha o melhor para ser seu assistente. O que convenhamos, foi receita de sucesso na Argentina campeã olímpica.
Os palavrões e "desespero" só evidenciam a falta de argumentos.
Att. (ou anauê para os nacionalistas ufanistas...)

Anônimo disse...

O amor e a boa vontade nos levou ao 18º lugar. Opto pela competência.

Anônimo disse...

RODRIGO,pergunta para ele, se ele pode usar o murilo como uma arma secreta pros chutes de 3? no sulamericano na final o murilo chutou 4 e fez os 4 de 3.